1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Entrevista. Edmilson Moutinho dos Santos, professor da USP

Especialista afirma que prejuízio bilionário da Petrobrás em 2015 é uma 'limpeza de casa'

'Aquela empresa onipresente já não se sustenta mais'

Petroleira teve prejuízo de R$ 34,8 bilhões em 2015

Petroleira teve prejuízo de R$ 34,8 bilhões em 2015

O prejuízo recorde e bilionário divulgado pela Petrobrás é uma “limpeza de casa” e reflete o reconhecimento de um novo cenário de preços do setor de petróleo, com baixas contábeis, afirma o professor do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, Edmilson Moutinho dos Santos. Para o especialista, a perda contábil tende a ser recuperada pela companhia no futuro, mas afeta o acionista no presente. Em sua visão, a estatal não tem outra saída a não ser vender ativos, ainda que a preços baixos, e se concentrar no desenvolvimento do pré-sal, que considera a joia da coroa da companhia.

Como o sr. vê o resultado divulgado ontem pela Petrobrás?

É uma limpeza de casa, algo puramente contábil. O balanço reflete a nova realidade do setor. Os ativos estavam valorizados em um cenário de preços. À medida em que você reconhece que seu preço médio não será mais o mesmo tem de reconhecer que seus ativos não terão mais condições de gerar receitas como previsto. A Petrobrás demorou a reconhecer que o preço futuro do petróleo não tenderia a se recuperar. Isso embute uma questão de governança, mas também de mercado. Lá na frente, tende a se recuperar. Para o acionista hoje é mais drástico porque os minoritários não verão dividendos tão cedo.

Esse resultado sinaliza a necessidade de corte de investimento?

A empresa terá de admitir planos de negócios coerentes com o novo tamanho. Aquela empresa onipresente em tudo que tinha petróleo e gás não se sustenta mais. Só espero que não reduza demais os investimentos em exploração e produção porque a riqueza dela está lá embaixo, no pré-sal.

Como lidar com essa realidade e uma dívida de R$ 492 bilhões?

A Petrobrás só tem duas saídas, que não são fáceis. Ela não tem como se endividar mais porque ninguém vai emprestar para ela enquanto não garantir que no longo prazo o pré-sal é sustentável. Ela não tem como se capitalizar no mercado doméstico porque ninguém vai comprar ações da Petrobrás, nem tem como gerar caixa o suficiente porque a produção não está crescendo no ritmo desejável. Sobra vender ativos e o socorro do acionista maior, que é o governo, mas ele também está em uma pindaíba.

O plano de desinvestimento da Petrobrás prevê o levantamento de US$ 14,4 bi em 2016. Isso é factível?

Levantar esse valor ela consegue, o problema é quanto tem de vender em ativos para atingir esse montante. Ela deveria ter apostado no pré-sal e vendido outros ativos em 2009. Mas dentro do jogo político em curso isso era impossível. Hoje o pré-sal poderia estar em um nível de produção maior.

Há quem critique a venda de ativos agora, porque seriam alienados a preço de banana...

Não tem jeito. Você vai esperar a banana apodrecer e deixar de investir na galinha dos ovos de ouro (o pré-sal)? A produção na Bacia de Campos vai continuar caindo, no Rio Grande do Norte também. O ideal é que esses ativos fiquem com investidores que não têm o pré-sal para investir.

Qual sua avaliação do primeiro ano da gestão Bendine?

Ele adotou um estilo “low profile” de lidar com a crise financeira. Será posto à prova se não conseguir vender ativos. O Bendine pode sair como um grande presidente se lhe for dada liberdade de ação. Mas a bagunça interna corta as asas dele. Agora a empresa está se ajustando, saindo um pouco das páginas policiais. Isso é bom. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX