1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Banco suíço afirma que quer comprar BSI do BTG Pactual

- Atualizado: 14 Janeiro 2016 | 11h 38

Na quarta-feira, a imprensa alemã apontou que o J.Safra Sarasin havia fechado o negócio, mas banco desmentiu a informação

Para o BancaStato, a compra do BSI é 'uma excelente oportunidade de investimento'
Para o BancaStato, a compra do BSI é 'uma excelente oportunidade de investimento'

GENEBRA  - O Banco do Estado do Cantonal do Ticino (BancaStato) declarou que fez uma proposta para comprar as ações do BSI, adquirido pelo grupo brasileiro BTG Pactual. Segundo a instituição financeira, uma carta foi enviada no final de dezembro de 2015 fazendo a proposta, ao lado de dois outros "importantes parceiros". Os nomes das demais empresas não foram reveladas. 

Para a BancaStato, criado em 1915, o valor pago por cada ação seria "razoável". Mas os valores também não foram indicados. 

Na quarta-feira, a imprensa alemã apontou que o banco suíço-brasileiro J.Safra Sarasin havia fechado um negócio para comprar o BSI. Mas, horas depois, o Grupo Safra desmentiu a informação em um comunicado oficial. Bancos como o Julius Baer e o Credit Suisse também estariam na corrida, mas teriam desistido.

Para o banco cantonal, porém, a compra do BSI é "uma excelente oportunidade de investimento, tanto no plano financeiro como na sinergia". A instituição também alerta que é "do interesse de toda a praça financeira do Ticino e do cantão evitar um desmembramento do BSI".

Segundo o banco, o governo da região do Ticino já foi informado do interesse e das negociações e, agora, "aguarda para ver a evolução da situação". O cantão suíço é o único acionista do BancaStato.

Em setembro de 2015, André Esteves finalizou a compra do BSI pelo BTG. Mas sua prisão e suspeitas de envolvimento no caso da Petrobrás levou a compra a ser repensada. 

No mês passado, o Estado revelou que a agência reguladora dos bancos na Suíça (conhecida por sua sigla FINMA) resistiu à proposta de André Esteves de adquirir o BSI. O negócio apenas foi concluído quando uma série de condições legais envolvendo o banqueiro foram esclarecidas e, acima de tudo, quando uma "intervenção oficial" de Brasília ocorreu. O temor dos reguladores do mercado financeiro suíço era de que, ao permitir a entrada de Esteves em sua praça financeira, estariam abrindo as portas para negócios envolvendo a Petrobrás. 

Em meados de 2014, o BTG Pactual anunciou a compra do BSI. Mas o aval da Finma - a Autoridade Federal de Vigilância do Mercado Financeiro - levaria mais de um ano para ser dado, um prazo fora do processo normal de aprovação de compras de bancos. Um dos critérios avaliados era o das garantias de uma "atitude irrepreensível" da parte dos dirigentes do banco brasileiro. 

O negócio também só foi possível depois que o BSI pagou US$ 211 milhões à Justiça americana para encerrar um caso de evasão fiscal.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX