Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Bancos devem ‘congelar’ dívida da Usiminas

Negócios

Divulgação

Economia

Usiminas

Bancos devem ‘congelar’ dívida da Usiminas

Período de carência de 120 dias para negociação de débitos da siderúrgica deve ser fechado nos próximos dias

0

Mônica Scaramuzzo,
O Estado de S.Paulo

17 Março 2016 | 08h50

A Usiminas, que passa por sérias dificuldades financeiras, está em fase final de negociações com os bancos credores para negociar a operação de “stand still” (congelamento das dívidas com os bancos), segundo fontes ouvidas pelo Estado. Com o caixa deteriorado, a Usiminas correria o risco de ter de pedir recuperação judicial, de acordo com fontes.

Esse acordo, previsto para ser concluído entre hoje e amanhã, prevê o congelamento de pagamento aos bancos de 120 dias. “Foi entregue uma ‘confort letter’ (carta de conforto) aos bancos, que garante que a capitalização na siderúrgica será feita”, disse uma fonte próxima ao assunto. A operação de congelamento de dívida é defendida para que as negociações com os bancos sejam feitas com mais tempo.

Os bancos credores, entre eles, Santander, Itaú, Banco do Brasil, BNDES e JBIC (Japan Bank for International Cooperation), condicionaram o alongamento dos dívidas a um novo aporte na companhia, que foi aprovado pelos acionistas na sexta-feira passada. O principal problema da Usiminas são as dívidas de curto prazo. Entre 2016 e 2017, os débitos a serem pagos somam quase R$ 4 bilhões. Só neste mês, vencem cerca de R$ 500 milhões.

Em uma eleição, o conselho de administração aprovou, por sete votos a três, a capitalização de R$ 1 bilhão na companhia. A Nippon, sócia japonesa que faz parte do bloco de controle, se dispôs a colocar o dinheiro sozinha, caso outros sócios não aderirem ao aumento de capital. O dinheiro novo entraria no caixa da empresa em 60 dias, apurou o Estado.

A Ternium, do grupo ítalo-argentino Techint, também do bloco de controle, quis garantir apenas R$ 560 milhões, mas acabou sendo voto vencido. A acionista também defende que parte do caixa da Musa, braço de mineração da Usiminas, seja usado para capitalizar a companhia, completando o total de R$ 1 bilhão.

Segundo fontes próximas às negociações, a Ternium está tentando marcar uma nova reunião do conselho de administração para fazer valer sua decisão de um aporte inferior a R$ 1 bilhão. O grupo também busca mudanças na gestão. Entre os objetivos do movimento estaria o de evitar a diluição da participação dos acionistas minoritários no negócio.

Os dois sócios não se entendem desde setembro de 2014, quando partiram para o litígio. Na semana passada, durante reunião do conselho, houve consenso por unanimidade de que a Usiminas precisaria ser capitalizada, apesar da divergência dos valores.

Balanço frágil. Em 2015, a siderúrgica mineira encerrou com receita de R$ 10,2 bilhões, queda de 13,25% sobre 2014. No período, o prejuízo líquido foi de R$ 3,6 bilhões e a dívida líquida somou R$ 7,9 bilhões. A empresa colocou ativos à venda. O Credit Suisse tem o mandato para a venda da Usiminas Mecânica, de bens de capital.

Procuradas, a Nippon e a Ternium não quiseram comentar o assunto.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.