1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

BTG entrega comando da Leader a gestora de negócios em crise

- Atualizado: 01 Março 2016 | 21h 25

Repasse da gestão à Alvarez & Marsal corre em paralelo à negociação da venda da varejista popular para o advogado Fábio Carvalho; empresa precisaria de R$ 200 milhões para recompor o capital de giro

O BTG mudou a administração de um de seus investimentos em private equity (compra de participações e em empresas) mais problemáticos. O Estado apurou que a partir desta quarta-feira, 2, a consultoria Alvarez & Marsal, especialista em gestão de empresas com graves problemas financeiros, está assumindo o comando da Leader. Três executivos escolhidos pela Alvarez & Marsal para reorganizar a operação vão começar a renegociar contratos com fornecedores já na Gift Fair, feira do setor de utilidades domésticas e presentes que começa esta semana, em São Paulo.

A situação da Leader é bastante delicada, de acordo com fontes de mercado. O endividamento total, de cerca de R$ 1 bilhão, é alto demais em comparação à receita. A varejista precisaria de um empréstimo vultoso - de aproximadamente R$ 200 milhões - para continuar a operar. O dinheiro, informou uma fonte, viria do próprio BTG e se somaria aos débitos da companhia. O executivo Leonardo Coelho, da Alvarez & Marsal, assumirá a presidência da companhia. No passado, a consultoria já geriu empresas em crise como a OGX (antiga petroleira de Eike Batista) e a Alumini Engenharia (envolvida nas investigações da Operação Lava Jato).

Rede de supermercados Leader é um dos investimentos mais problemáticos do BTG

Rede de supermercados Leader é um dos investimentos mais problemáticos do BTG

Em paralelo à mudança de comando, o BTG negocia a venda a Leader ao advogado especialista em recuperações Fábio Carvalho. O advogado é conhecido por comprar empresas com forte endividamento: ele assumiu, por exemplo, as operações da Casa & Vídeo, varejista do Rio de Janeiro, e da Bravante (ex-Brasbunker), de construção e reparo de embarcações para o setor de óleo e gás. Carvalho ficou com a Bravante em meados de 2015, após o BTG decidir se desfazer do negócio. Um acordo com Carvalho ou com outro comprador seria uma condição para que o BTG libere o empréstimo de urgência que a Leader precisa, apurou o Estado.

Qualquer que seja o valor de venda Leader - o mercado fala em cerca de R$ 300 milhões, mas fontes dizem que o montante é alto demais, considerada a situação atual do negócio -, o BTG terá prejuízo com a varejista. O banco já até admitiu as perdas em seu balanço. O investimento do banco em uma fatia de 70% da rede superou a marca de R$ 1 bilhão, em 2012.

Dificuldades. O grande desafio da Leader será recuperar-se em um momento difícil para o varejo. Empresas de eletrodomésticos têm registrado quedas superiores a 10% nas vendas em relação aos 12 meses anteriores, enquanto empresas de cama, mesa, banho e moda também têm visto os negócios recuarem. A Leader, que se tornou uma "mistura" dos dois segmentos desde que foi vendida ao BTG, deve voltar às origens e focar em confecções, artigos para a casa e eletroportáteis. A Seller, bandeira paulista que também faz parte do grupo Leader, voltaria a focar sua atuação em cama, mesa e banho.

Como geralmente ocorre em empresas em dificuldades, a recuperação ainda enfrenta desafios para sair do papel. A família proprietária da bandeira Seller - que chegou a pedir a falência da Leader no fim de 2015, alegando que o BTG deveria R$ 150 milhões de uma parcela da compra do negócio, fechada em 2012 - não estaria disposta a esperar para receber o valor. O objetivo da recuperação seria colocar a Seller na lista de credores da Leader.

A família já teve uma decisão desfavorável na Justiça em relação ao pedido de falência, pois o contrato de venda assinado com a Leader previa que, antes de recorrer ao judiciário, a questão de atrasos de pagamentos deveria ser mediada em arbitragem.

Segundo apurou o Estado, o BTG entende que não é afetado pelo contrato com a Leader. Apesar de ser o controlador do negócio, o banco não poderia ser acionado como garantidor do valor a ser repassado à Seller. 

Pelo menos por enquanto, a Alvarez & Marsal deverá evitar o caminho da recuperação judicial da Leader.

Procurados, Alvarez & Marsal e BTG não comentaram o assunto.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX