Assine o Estadão
assine

Economia

Btg Pactual

BTG entrega comando da Leader a gestora de negócios em crise

Repasse da gestão à Alvarez & Marsal corre em paralelo à negociação da venda da varejista popular para o advogado Fábio Carvalho; empresa precisaria de R$ 200 milhões para recompor o capital de giro

0

Fernando Scheller,
O Estado de S.Paulo

01 Março 2016 | 17h02

O BTG mudou a administração de um de seus investimentos em private equity (compra de participações e em empresas) mais problemáticos. O Estado apurou que a partir desta quarta-feira, 2, a consultoria Alvarez & Marsal, especialista em gestão de empresas com graves problemas financeiros, está assumindo o comando da Leader. Três executivos escolhidos pela Alvarez & Marsal para reorganizar a operação vão começar a renegociar contratos com fornecedores já na Gift Fair, feira do setor de utilidades domésticas e presentes que começa esta semana, em São Paulo.

A situação da Leader é bastante delicada, de acordo com fontes de mercado. O endividamento total, de cerca de R$ 1 bilhão, é alto demais em comparação à receita. A varejista precisaria de um empréstimo vultoso - de aproximadamente R$ 200 milhões - para continuar a operar. O dinheiro, informou uma fonte, viria do próprio BTG e se somaria aos débitos da companhia. O executivo Leonardo Coelho, da Alvarez & Marsal, assumirá a presidência da companhia. No passado, a consultoria já geriu empresas em crise como a OGX (antiga petroleira de Eike Batista) e a Alumini Engenharia (envolvida nas investigações da Operação Lava Jato).

Em paralelo à mudança de comando, o BTG negocia a venda a Leader ao advogado especialista em recuperações Fábio Carvalho. O advogado é conhecido por comprar empresas com forte endividamento: ele assumiu, por exemplo, as operações da Casa & Vídeo, varejista do Rio de Janeiro, e da Bravante (ex-Brasbunker), de construção e reparo de embarcações para o setor de óleo e gás. Carvalho ficou com a Bravante em meados de 2015, após o BTG decidir se desfazer do negócio. Um acordo com Carvalho ou com outro comprador seria uma condição para que o BTG libere o empréstimo de urgência que a Leader precisa, apurou o Estado.

Qualquer que seja o valor de venda Leader - o mercado fala em cerca de R$ 300 milhões, mas fontes dizem que o montante é alto demais, considerada a situação atual do negócio -, o BTG terá prejuízo com a varejista. O banco já até admitiu as perdas em seu balanço. O investimento do banco em uma fatia de 70% da rede superou a marca de R$ 1 bilhão, em 2012.

Dificuldades. O grande desafio da Leader será recuperar-se em um momento difícil para o varejo. Empresas de eletrodomésticos têm registrado quedas superiores a 10% nas vendas em relação aos 12 meses anteriores, enquanto empresas de cama, mesa, banho e moda também têm visto os negócios recuarem. A Leader, que se tornou uma "mistura" dos dois segmentos desde que foi vendida ao BTG, deve voltar às origens e focar em confecções, artigos para a casa e eletroportáteis. A Seller, bandeira paulista que também faz parte do grupo Leader, voltaria a focar sua atuação em cama, mesa e banho.

Como geralmente ocorre em empresas em dificuldades, a recuperação ainda enfrenta desafios para sair do papel. A família proprietária da bandeira Seller - que chegou a pedir a falência da Leader no fim de 2015, alegando que o BTG deveria R$ 150 milhões de uma parcela da compra do negócio, fechada em 2012 - não estaria disposta a esperar para receber o valor. O objetivo da recuperação seria colocar a Seller na lista de credores da Leader.

A família já teve uma decisão desfavorável na Justiça em relação ao pedido de falência, pois o contrato de venda assinado com a Leader previa que, antes de recorrer ao judiciário, a questão de atrasos de pagamentos deveria ser mediada em arbitragem.

Segundo apurou o Estado, o BTG entende que não é afetado pelo contrato com a Leader. Apesar de ser o controlador do negócio, o banco não poderia ser acionado como garantidor do valor a ser repassado à Seller. 

Pelo menos por enquanto, a Alvarez & Marsal deverá evitar o caminho da recuperação judicial da Leader.

Procurados, Alvarez & Marsal e BTG não comentaram o assunto.

Mais conteúdo sobre:

Comentários