1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

BTG negocia venda da varejista Leader a advogado especialista em reestruturação

- Atualizado: 01 Março 2016 | 05h 00

Banco tenta repassar para Fábio Carvalho, conhecido pela reestruturação da Casa&Vídeo, a rede carioca, que sofre com vendas fracas e endividamento alto

O BTG Pactual está articulando a venda da sua rede de varejo Leader ao advogado Fábio Carvalho, conhecido pela reestruturação da Casa & Vídeo, apurou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. O modelo seria o mesmo que o banco utilizou para se desfazer da Bravante (ex-Brasbunker) no ano passado, quando a companhia do setor de petróleo parecia não ter outro destino a não ser a recuperação judicial. Esse, aliás, poderá ser o caminho para a Leader, que enfrenta um contexto de fragilidade financeira.

Nessa negociação, a venda da empresa ocorreria via um aporte na Leader, o que a ajudaria a equalizar as finanças. “Isso trará uma normalização da empresa”, disse uma fonte próxima ao BTG. O aporte a ser realizado na rede de varejo seria superior a R$ 300 milhões e ainda não está definido se o BTG vai se desfazer de todo o ativo ou se manterá uma fatia, segundo a fonte. “Não está nos planos neste momento a empresa pedir recuperação judicial”, disse a mesma fonte. O BTG é dono de 70% da rede de varejo. Os fundadores do negócio, a família Gouvêa, também estariam negociando a venda da fatia restante no negócio.

BTG é dona de 70% da rede de varejo, que precisa de aporte de R$ 300 milhões
BTG é dona de 70% da rede de varejo, que precisa de aporte de R$ 300 milhões
A crise da Leader, que vem sofrendo com vendas fracas e endividamento alto, já chegou até à Justiça. A família fundadora da Seller, rede de varejo adquirida pela Leader em 2013, cobra R$ 150 milhões por pagamentos não recebidos pela venda da companhia. Após o atraso de parcelas do pagamento, a Leader se tornou alvo de pedido de falência. Depois disso, a companhia contestou na Justiça e conseguiu liminar para a sustação desses protestos. A decisão considerou que a dívida protestada possui garantias que atestam a capacidade financeira da Leader para quitar seus débitos.

Modelo. Se concretizada, a estratégia para a Leader também deve ser bastante semelhante à usada para a empresa de transporte marítimo Bravante. Fontes na companhia contam que a empresa estava fragilizada pelas dívidas e pela deterioração do negócio, que envolve apoio marítimo para plataformas de petróleo. O BTG, então acionista e também detentor de debêntures conversíveis de emissão da empresa, diminuiu sua participação na companhia após um aporte de Carvalho em 2015, o qual serviu para reduzir o endividamento da Bravante e diluir o BTG.

Na época, a família Nascimento, sócia no negócio, chegou a discordar do processo, criticando o banco por abandonar o investimento num momento mais crítico e depois de a empresa ter se tornado credora do banco. A família, porém, acabou desistindo das contestações, dizem as fontes, e a transação foi em frente. A Bravante ainda não entrou com um pedido de recuperação judicial, mas esse é um caminho possível, dizem as fontes.

Na época do repasse da Bravante para Carvalho, houve muito questionamento se essa seria a receita a ser utilizada pelo banco em outras empresas investidas que acabaram se tornando um mau negócio, com queima de caixa e resultados negativos. “A percepção que temos é que hoje o BTG planeja fazer o mesmo com a Leader, para evitar a cobrança dos credores da empresa”, disse uma fonte próxima à família ex-dona da Seller.

Carvalho ficou conhecido pelo processo de reestruturação da Casa & Vídeo, companhia de eletrodomésticos com sede no Rio de Janeiro. Ele comprou a empresa em 2009, após empréstimo recebido do BTG. Em 2013, o BTG comprou 70% da companhia, depois de uma competição com as Lojas Americanas, interessada no negócio.

Em crise. A crise da Leader se evidenciou em meio ao processo de venda de ativos pelo BTG iniciado após a prisão de Esteves, em novembro do ano passado. Mas a venda da varejista é dificultada justamente pela sua crítica situação financeira. Reportagem do Estado apurou que o Ebitda projetado pelo banco para o negócio em 2015 seria de R$ 37 milhões, enquanto o endividamento superaria a marca de R$ 1 bilhão. Procurados, BTG e Leader não comentaram. A família Gouvêa e Fábio Carvalho não responderam os pedidos da reportagem.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX