1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cade diz que compra do HSBC pelo Bradesco é complexa e decide aprofundar análise

- Atualizado: 01 Fevereiro 2016 | 11h 28

Segundo o órgão, o negócio eleva o nível de concentração bancária, o que pode encarecer as tarifas para os consumidores 

BRASÍLIA - A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) declarou nesta segunda-feira, no Diário Oficial da União (DOU), considerar "complexo" o ato de concentração que prevê a aquisição, pelo Banco Bradesco, de 100% do capital social do HSBC Serviços e Participações. Com isso, o órgão antitruste decidiu aprofundar a análise do negócio por meio de novas diligências.

De acordo com a Superintendência, "a instrução realizada até o momento apontou que a operação eleva o nível de concentração bancária, gerando a necessidade de se analisar, de forma cuidadosa, a eventual propensão a aumentos de preços para os consumidores na oferta de produtos e serviços financeiros e não financeiros". O negócio foi fechado em agosto de 2015, por US$ 5,2 bilhões. 

Dentre as novas diligências, será solicitado, ao Departamento de Estudos Econômicos do Cade, elaboração de estudo quantitativo a respeito de impactos concorrenciais decorrentes da operação, e as empresas terão de apresentar, a critério delas, as eficiências econômicas geradas pela operação.

Além disso, as companhias também poderão apresentar estudos quantitativos ou qualitativos que possam mitigar as eventuais preocupações concorrenciais identificadas pela Superintendência-Geral.

A Superintendência ainda avisa na lista das providências que está aguardando "informações diversas já solicitadas às requerentes e concorrentes do mercado e ainda pendentes de resposta".

Com o aprofundamento da avaliação do negócio, a Superintendência-Geral do Cade informa que, se for o caso, poderá pedir ampliação do prazo de análise da operação, que foi notificada ao órgão em novembro do ano passado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX