Reuters
Reuters

Caixa quer ser agente regulador de jogos de aposta se liberação for aprovada

Segundo o presidente do banco, Gilberto Occhi, a instituição pediu para ser responsável pela centralização dos recursos e o pagamento a apostadores de bingos, cassinos e outras apostas eletrônicas

Eduardo Rodrigues e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

14 Novembro 2017 | 18h01

BRASÍLIA – O presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, disse nesta terça-feira, 14, que o banco pediu para ser uma espécie de "agência reguladora" dos jogos de aposta, sendo responsável pela centralização dos recursos e o pagamento aos apostadores, caso o projeto que libera bingos, cassinos e outras apostas eletrônicas seja aprovado pelo Congresso Nacional.

++Governadores defendem legalizar jogos de azar para dar verba à segurança

"O País não tem uma agência reguladora de jogos e a Caixa é hoje um agente que tem credibilidade e repeito. Então essa é a nossa eventual participação se isso estiver contemplado no projeto", afirmou, após cerimônia de entrega de Cartões Reforma, no Palácio do Planalto.

++'O STF, o jogo de azar e a aposta no futuro'

Segundo ele, a Caixa já conversou sobre o tema com os senadores Ciro Nogueira (PP-PI) e Fernando Bezerra (PSB-PE). "Discutimos a estruturação desses jogos em que a Caixa participa como gestora, operadora, controladora e pagadora por ter essa credibilidade. Acho que a Caixa, por ter uma credibilidade de jogos no País, tem condição de oferecer o seu serviço a essa estruturação", acrescentou Occhi.

O presidente da Caixa considerou que a regularização dos jogos de aposta no País é uma oportunidade de melhorar as "receitas em geral" do governo. "Acho que é uma grande oportunidade, até porque nós temos todos esses jogos eletrônicos funcionando no País e a receita indo para fora do Brasil. Nós não temos cassinos e sabemos que há um universo que pode trazer esse investimento para o País", completou.

Segundo ele, há estimativas de receitas de impostos sobre os jogos que podem chegar a R$ 20 bilhões por ano após a regularização. "Existe o jogo, não podemos negar. As pessoas apostam e o País está deixando escorrer pelas mãos essas receitas de tributação", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.