Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Carros autônomos viram protagonistas do Salão de Paris

Negócios

JACKY NAEGELEN | REUTERS

Carros autônomos viram protagonistas do Salão de Paris

A partir de amanhã, 19 montadoras vão mostrar suas soluções para carros sem motorista, que devem chegar ao mercado a partir de 2018

0

Andrei Netto, correspondente ,
O Estado de S.Paulo

30 Setembro 2016 | 05h00

PARIS - Depois de quatro edições voltadas para veículos mais econômicos, para os combustíveis alternativos e para a conexão à internet, o Salão do Automóvel de Paris 2016 começa neste sábado, 1º, com um novo protagonista: o veículo autônomo. Nada menos do que 19 montadoras e fornecedores apresentarão promessas de carros dirigidos por computador – realidade que, segundo os mais otimistas, pode chegar ao público em 2018.

O Mundial do Automóvel, nome oficial do mais antigo e visitado salão do setor do planeta, chega a sua 119.ª edição em clima de otimismo, com vendas em alta na Europa, virando a página da crise iniciada em 2007. Superada a turbulência que ameaçou a sobrevivência de grandes marcas, em 2016 o evento reflete a preocupação das montadoras em realizar sua própria revolução digital, de forma a lhes garantir um futuro. E nada mais importante do que mostrar um máximo de tecnologia embarcada, cujo símbolo é o automóvel autônomo.

Pelos corredores de Porte de Versailles, os fãs testemunham os investimentos em veículos inteligentes, que dispensam o condutor e são, segundo seus fabricantes, mais seguros. A americana Tesla, do bilionário Elon Musk, afirma ser capaz de apresentar o veículo sem motorista a partir de 2018. Já a coreana Hyundai é mais comedida: prevê a comercialização para 2030. Entre um e outro, a maioria das montadoras prevê oferecer os automóveis autônomos por volta de 2020 ou em 2021.

O otimismo é concreto porque empresas de tecnologia como Google, Tesla e Uber têm investido bilhões em pesquisa e desenvolvimento, o que obriga as montadoras tradicionais a correr atrás do tempo perdido. Em Paris, o grupo PSA, que reúne as marcas Peugeot, Citroën e DS, apresentou sua nova marca de veículos tecnológicos, o Free2Move, focada em serviços de mobilidade. “Sabemos que somos um dinossauro, mas não queremos desaparecer”, afirmou o diretor-presidente, Carlos Tavares, na quarta-feira.

Soluções semelhantes serão apresentadas em Paris por construtores de luxo, como Audi, ou mesmo por marcas coadjuvantes no mercado, como a checa Skoda ou a espanhola Seat. A Tesla mostrará sua tecnologia AutoPilot, enquanto a startup Drive.ai ostenta em seu portfólio clientes gigantes como Google, GM e Nissan.

A corrida é para decidir que montadora terá o primeiro veículo sem condutor rodando nas ruas. Mas uma série de dificuldades de ordem legal ainda impede que os testes já realizados em rodovias dos Estados Unidos e da Europa cheguem às concessionárias. Um exemplo: se o automóvel não tem motorista, quem pagará a conta de eventuais processos por acidentes: a montadora ou o criador dos algoritmos que orientam a navegação do veículo?

Novidades. Enquanto a revolução dos automóveis autônomos ou semiautônomos não se concretiza, em Paris duas tendências se confirmam: a primeira é a multiplicação dos lançamentos de veículos movidos a energia elétrica. Um exemplo é a alemã Volkswagen, centro do escândalo de fraudes nas emissões de poluentes em motores a diesel. Investindo para reverter a imagem, a montadora apresenta seus dois maiores sucessos, Passat e Golf, agora movidos a eletricidade.

Embora para muitos ainda seja difícil confiar na empresa, a Volks promete autonomia de até 600 quilômetros sem reabastecimento – bem mais do que os 400 quilômetros projetados pela Renault, que apresentou a nova versão da Zoe. O objetivo da montadora alemã é fazer o cliente esquecer o passado. Questionado sobre se a Volks paga sozinha pelos erros de todas as montadoras, Matthias Müller, presidente do grupo, não hesita: “Honestamente, eu acredito que sim.”

A segunda tendência em Paris é uma reafirmação: a onda já vinha crescendo em 2014, mas as SUVs agora de fato conquistaram a Europa, após anos de resistência. Peugeot, com as versões 3008 e 5008, chega para enfrentar Kazar e Koleos, da rival Renault. Outros exemplos: Audi Q5 ou Land Rover Discovery, prova de que os veículos 4x4 estão de fato tomando as ruas também em solo europeu.

Embora seja, ao lado do Salão de Frankfurt, um dos eventos mais emblemáticos do setor, o Salão de Paris também enfrenta sua própria transformação. Montadoras como Ford, Mazda, Volvo, Bentley e Aston Martin preferiram não se apresentar – sinal das mudanças no setor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.