Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Cemig muda limite de endividamento em 2015

Negócios

Divulgação

Economia

Cemig

Cemig muda limite de endividamento em 2015

Segundo ata da reunião de acionistas, alteração foi necessária por causa da aquisição do Lote D, no leilão promovido pela Aneel

0

Renato Carvalho,
O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2015 | 21h33

Os acionistas da Cemig aprovaram nesta terça-feira, 29, em assembleia geral extraordinária, mudanças nos limites de endividamento e investimentos da companhia para o ano de 2015. 

Segundo a ata da reunião, as mudanças foram necessárias por conta da aquisição do Lote D, no leilão promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em novembro, que levou a uma emissão de notas promissórias da Cemig Geração e Transmissão (Cemig GT) para captar R$ 1,44 bilhão, que serão utilizados para pagar a primeira parcela da outorga do leilão, que vence nesta quarta-feira, 30.

Com essas operações, a relação entre dívida líquida e Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) passará para 2,63 vezes. A dívida líquida passará a representar 51% do patrimônio líquido da concessionária de energia mineira. E os recursos destinados a investimentos de capital e aquisição de ativos representarão 62% do Ebitda.

Por isso, os acionistas aprovaram uma flexibilização das covenants (cláusulas contratuais para títulos de dívida) para 2015. O limite para a relação dívida líquida/Ebitda passou para 2,6 vezes, e para a relação dívida líquida/patrimônio líquido passou para 51%. Já o limite de recursos para investimentos e aquisições passou para 62%.

Esses números estão acima do limite máximo previsto no estatuto da Cemig, que permite, após aprovação do conselho de administração, que a companhia atinja relação dívida líquida/Ebitda de 2,5 vezes, relação dívida líquida/patrimônio líquido de 50%, e investimentos de até 40% do Ebitda. Esses limites já ultrapassam a meta original estabelecida pelo estatuto, de 2 vezes o Ebitda e 40% do patrimônio líquido no endividamento, e 40% do Ebitda para os investimentos. 

Comentários