Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Com crise, GM está renegociando contratos e até cortando café de funcionários

Montadora está negociando com fornecedores os contratos fechados em real e em dólar

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

29 Setembro 2015 | 13h20

SÃO PAULO - Em meio à crise que leva as vendas de veículos novos no Brasil a caírem mais de 20% neste ano, a General Motors (GM) tem tomado uma série de medidas de eliminação de custos, que vão desde o corte do cafezinho para funcionários à renegociação de contratos com fornecedores, tanto os fechados em moeda nacional como em dólar, afirmou nesta terça-feira o presidente da montadora no Brasil, Santiago Chamorro. 

"Hoje, todos esses contratos são alvos de conversação com fornecedores", comentou o executivo em entrevista após participar de fórum promovido pela revista Quatro Rodas. De acordo com Chamorro, a renegociação com fornecedores tem sido uma prática adotada nesse período de alta dos preços de insumos não só pela GM, mas todas as montadoras. Para ele, não fazer isso significa perder volume de vendas e competitividade.

Chamorro lembrou que a montadora também tem adotado medidas de corte de produção. Segundo ele, durante toda esta semana, metalúrgicos das fábricas de Mogi das Cruzes e de São Caetano do Sul, interior de São Paulo, estão em "day-off" (folgas). A montadora também está estudando aderir ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE) nas unidades de São Caetano e Gravataí (RS). As negociações com o sindicato, contudo, ainda não começaram.

"Estamos avaliando as medidas mês a mês e usando todas as ferramentas para manter o nível de produção adequado", afirmou. O presidente da GM no Brasil reconheceu, contudo, que se o mercado nacional intensificar a queda, a montadora terá de reavaliar a estratégia utilizada até agora. De janeiro a agosto, os emplacamentos acumulam queda de 21,4% ante igual período de 2014.

Mais conteúdo sobre:
General Motors automóveis montadora crise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.