Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Com dívidas de R$ 7,8 bi, empresa dos Bertins entra em recuperação judicial

Processo inclui dez empresas do Grupo Hebercom atuação em infraestrutura e agronegócios, e tem entre seus principais credores bancos públicos, como Caixa e Banco do Brasi

Mônica Scaramuzzo e Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2017 | 05h00

O Grupo Heber, controlado pela família Bertin e que atua em infraestrutura e agronegócios, entrou na terça-feira com pedido de recuperação judicial. As dívidas declaradas da empresa somam R$ 7,85 bilhões. No processo, foram incluídas dez companhias que fazem parte desse conglomerado, entre elas, a Cibe e a Contern, que formam a concessionária que administra o Rodoanel Sul e Leste, em São Paulo.

A companhia terá 60 dias para apresentar um plano de reestruturação do total das dívidas aos credores, que incluem bancos públicos, como Caixa e Banco do Brasil, e fornecedores. Após a apresentação dessa proposta, os detentores dessas dívidas terão 120 dias para discutir e aprovar o acordo.

A consultoria de reestruturação financeira Galeazzi & Associados e o escritório Thomaz Bastos, Waisberg e Kurzweil vão assessorar o grupo no processo. A Galeazzi foi contratada nesta semana para tentar reverter a crise na empresa dos Bertin, apurou o Estado.

Em dificuldade financeira, a crise no grupo Heber se agravou a partir de 2014, com redução de novos projetos de infraestrutura e custo mais elevado para rolagem de dívidas. No mês passado, o Banco Fibra já havia entrado com pedido de falência da empresa Contern. Preocupados com novos pedidos, o grupo decidiu recorrer à Justiça para planejar a reestruturação de seus negócios.

A companhia alega que sua situação financeira se deteriorou por causa dos investimentos pesados para a construção do Trecho Leste do Rodoanel e para a operação dos Trechos Sul e Leste. O grupo argumentou, em nota, que os projetos sofreram várias interferências que não estavam previstas no contrato de concessão, como a redução de praças de pedágios, que constavam no projeto licitado, o que teria aumentado os custos.

Apoio do governo. O Bertin era um dos mais importantes frigoríficos do País até entrar em dificuldades financeiras na década passada. Foi salvo pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social ( BNDES), que, com o apoio de bancos privados, convenceu sua rival JBS a absorver a companhia. Em troca, o BNDES apoiou a JBS na compra da americana Pilgrim’s.

Desde então, o Bertin tornou-se um grupo com interesse em várias áreas de infraestrutura. Entrou nos dois projetos mais cobiçados do País – Belo Monte e Rodoanel. No primeiro, desistiu e saiu do empreendimento logo. Já no caso do Rodoanel, levou o projeto adiante, mesmo com dificuldades financeiras, que resultaram em inúmeros atrasos nas obras.

O grupo ainda se aventurou em projetos termoelétricos bilionários e não teve fôlego para tirá-los do papel. Foram mais de 20 usinas térmicas. Depois da crise de 2008, que secou o mercado de crédito no mundo inteiro, o Bertin teve dificuldade para apresentar garantias das térmicas arrematadas e sofreu punições por causa disso. Para especialistas, o fracasso da empresa no setor elétrico se deveu à combinação entre falta de experiência na área e ousadia.

Apesar dos altos e baixos, o Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS) autorizou à época aportes de R$ 280 milhões para a Nova Cibe, empresa do grupo – investimentos que renderam prejuízo ao fundo.

Procurados, Caixa e Banco do Brasil não retornaram aos pedidos de entrevista. A Galeazzi não quis se pronunciar.

AS EMPRESAS

No processo registrado na 1.ª Vara de Reestruturação de São Paulo, foram listadas as seguintes empresas do grupo Heber, que são controladas pela família Bertin: 

1. Heber Participações 

2. Cibe Participações e Empreendimentos 

3. Compacto Participações 

4. Comapi Agropecuária 

5. Doreta Emprendimentos e Participações 

6. Infra Bertin Empreendimentos 

7. Concessionária SP Mar 

8. Contern Construções e 

Comércio 

9. Águas de Itú Gestão 

Empresarial 

10. Cibe Investimentos e 

Participações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.