1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Com prejuízo e dívida alta, Bombril pode ter de pedir nova recuperação judicial

- Atualizado: 27 Fevereiro 2016 | 05h 00

Empresa ampliou portfólio e investiu em marketing, mas resultado continuou no vermelho; reestruturação em curso quer reverter patrimônio líquido negativo e renegociar dívidas tributárias

Uma das mais tradicionais empresas brasileiras, a fabricante de bens de consumo Bombril contratou assessoria para reestruturar o negócio, que sofre com alto endividamento, caixa reduzido e sucessivos prejuízos acumulados. Fontes de mercado afirmam que a companhia poderá fazer um novo pedido de recuperação judicial, caso não tenha sucesso nas renegociações em curso.

Este é mais um episódio conturbado de uma agitada história empresarial. A companhia, fundada em 1948 e conhecida especialmente por sua esponja de aço, já passou por severos problemas financeiros, trocou de dono, enfrentou brigas entre sócios e até um longo processo de recuperação judicial, que se estendeu de 2003 a 2006.

Marca trocou Carlos Moreno por Ivete Sangalo e pelas comediantes Dani Calabresa e Mônica Iozzi
Marca trocou Carlos Moreno por Ivete Sangalo e pelas comediantes Dani Calabresa e Mônica Iozzi
O negócio é hoje controlado pelo filho do fundador, Ronaldo Sampaio Ferreira, mas tem entre seus sócios minoritários o investidor Silvio Tini, o fundo de pensão Previ (caixa de previdência dos funcionários do Banco do Brasil) e o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O Estado apurou que a atual reestruturação da empresa, comandada pela consultoria Ricardo K (de Ricardo Knoepfelmacher), busca uma solução financeira para a companhia. Neste momento, dizem fontes, a ideia ainda é evitar a recuperação judicial, apesar dos números ruins. A Bombril teve receita bruta de R$ 1,24 bilhão nos primeiros nove meses de 2015. O prejuízo, em igual período, foi de R$ 240 milhões.

A empresa sofre também com o caixa apertado: tinha R$ 11 milhões disponíveis em 30 de setembro de 2015, ante R$ 53 milhões no fechamento de 2014. Nos primeiros nove meses do ano, o endividamento líquido total subiu 26% e atingiu R$ 476 milhões, puxado pelas dívidas tributárias. Mais de 60% dos débitos da Bombril são de curto prazo.

Uma fonte ligada à companhia diz que o processo de diversificação do portfólio de produtos empreendido nos últimos anos (com o lançamento de novos itens do setor de limpeza e de uma linha de cosméticos) não deu o resultado esperado. Pelo contrário: a investida acabou por apertar ainda mais as margens.

Na tentativa de “virar a página”, a empresa também fez mudanças no marketing: abandonou seu “garoto Bombril”, Carlos Moreno, em favor de uma campanha voltada ao poder feminino, com a cantora Ivete Sangalo e as comediantes Dani Calabresa e Mônica Iozzi.

Trajetória. Se pedir recuperação judicial novamente, a empresa retornará à situação especial que já viveu entre 2003 e 2006, época em que o filho do fundador do negócio, Ronaldo Sampaio Ferreira, voltou ao comando da companhia, que havia sido vendida a um grupo italiano nos anos 1990.

Em 2002, Ferreira iniciou uma disputa judicial com Sérgio Cragnotti. Segundo o filho do fundador, o empresário, que havia comprado a companhia por meio do grupo italiano Cirio, havia desembolsado apenas uma pequena parte do valor devido. Após acionar a Justiça, Ferreira conseguiu ser reconduzido ao comando da Bombril. Foi quando a empresa pediu a recuperação judicial, encerrada três anos mais tarde.

Desde então, a Bombril iniciou um esforço para recuperar a lucratividade, mas, ao longo dos anos, não conseguiu sair do vermelho. Em 2015, à medida que a crise se tornou mais aguda, a situação do negócio piorou. No terceiro trimestre, o prejuízo triplicou em relação a igual período do ano anterior.

Quem conhece o dia a dia do negócio defende uma mudança de gestão. “O produto é maravilhoso, mas a empresa só tem uma saída: ser vendida”, afirma uma fonte ligada à Bombril.

Procurada, a gestora Ricardo K não quis comentar. A Bombril admitiu, em nota, que está analisando uma reestruturação de capital às novas condições do mercado. A empresa negou que esteja planejando um pedido de recuperação judicial.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX