1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Correios querem avião próprio para entregar encomendas

Leonardo Goy, de O Estado de S. Paulo

02 Agosto 2010 | 23h 00

Novo presidente da estatal, David de Matos, diz que a proposta pode evitar problemas ocorridos este ano com o Sedex 10

A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) estuda, entre outras alternativas, ter aviões próprios para fazer a entrega de encomendas. A afirmação é do novo presidente da estatal, David José de Matos, empossado na segunda-feira, 2.

No início do ano, a empresa teve problemas com rotas aéreas terceirizadas que acabaram atrapalhando a entrega do Sedex 10, um dos principais produtos dos Correios.

Em fevereiro, a estatal chegou a suspender os serviços de Sedex 10 – no qual as encomendas são entregues até as 10 horas do dia seguinte à postagem – em Estados das regiões Norte e Nordeste. Na época, aeronaves foram sublocadas para substituir as que estavam podendo voar.

"Quando você faz um estudo econômico, você apresenta todas as alternativas e esta da compra de aviões foi uma alternativa estudada. Ainda não tenho o resultado, mas essa é uma opção possível. Assim como a criação de uma outra empresa", disse Matos, referindo-se à possibilidade de os Correios criarem uma subsidiária de logística para dar conta das entregas.

Próximo governo

A criação de uma subsidiária de logística, bem como a transformação dos Correios em uma sociedade anônima de capital fechado, são propostas que constariam de uma Medida Provisória a ser editada pelo governo, mas conforme disse na segunda o ministro das Comunicações, José Artur Filardi, essa eventual Medida Provisória será uma decisão a ser tomada pelo próximo governo.

Sem política

Filardi descartou ter havido motivação política para a nomeação de Matos para os Correios. "O fato de conhecer o deputado Tadeu Filippelli não significa que tenha sido indicado", disse, citando o deputado peemedebista que concorre ao cargo de vice-governador do Distrito Federal na chapa encabeçada pelo petista Agnelo Queiroz.

Filippelli, porém, teve seu nome citado pelo ministro Filardi logo no início de seu discurso na cerimônia de posse dos novos diretores dos Correios.

Além de David de Matos, tomaram posse ontem os novos diretores de Gestão de Pessoas, Nelson Luiz Oliveira de Freitas, e de Operações, Eduardo Artur Rodrigues Silva.

David Matos disse que assume o cargo com quatro recomendações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, encaminhadas a ele por intermédio da ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra.

A primeira recomendação é realizar até o fim do ano concurso público para contratação de pessoal e a segunda é resolver os impasses e questionamentos jurídicos que atrapalham o processo de licitação das franquias dos Correios.

A terceira recomendação é resolver a questão do transporte aéreo das encomendas; e a quarta é "resgatar a autoestima dos funcionários dos Correios", já que, segundo ele, "nos últimos anos houve uma campanha não justificada contra a honestidade da instituição", disse.