1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cubico compra dois complexos eólicos por R$ 2 bi no Brasil

- Atualizado: 11 Janeiro 2016 | 16h 49

Empresa, que tem como acionista o banco Santander, quer ampliar sua participação em energia renovável no País

A Cubico Sustainaible Investiments, empresa que tem o banco espanhol Santander como acionista, anunciou hoje a compra de dois complexos eólicos, que pertenciam à família Araripe, por cerca de R$ 2 bilhões (incluindo dívidas). Fundada em maio do ano passado, a Cubico é resultado da união dos ativos de energia renovável do Santander com dois fundos de pensão canadenses – Ontario Teacher’s Pension Plan (dos professores daquele país) e o Public Sector Pension Investiment Board.

A transação envolve a compra de dois projetos da Casas dos Ventos, da família Araripe, que tem diversos projetos de energia eólica em desenvolvimento na região Nordeste. A Cubico adquiriu as operações das usinas Caetés, com 182 megawatt (MW), em Pernambuco, e Ventos do Araripe I, com 210 MW, no Piauí. 

Segundo Eduardo Keplacz, presidente da Cubico no Brasil, essas aquisições marcam a entrada do grupo, que tem sede em Londres, no Brasil. 

Eduardo Keplacz, presidente da Cubico no Brasil, diz que a companhia deverá avançar em energia renováveis

Eduardo Keplacz, presidente da Cubico no Brasil, diz que a companhia deverá avançar em energia renováveis

Com essas duas aquisições, a Cubico passa a deter no País 615 MW de projetos instalados. Antes de formar a Cubico, o Santander detinha em carteira projetos eólicos de 223  MW em projetos em operação no Rio Grande do Sul, Ceará e Rio Grande do Norte. 

Keplacz afirmou que o portfólio da companhia no país coloca a Cubico como terceira maior desse segmento, atrás da CPFL e Renova Energia.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX