1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Desemprego e queda de renda fazem clínicas populares avançarem

- Atualizado: 21 Março 2016 | 12h 30

Conhecida por preços mais baixos, empresas como Dr. Consulta, MinutoMed e Acesso Saúde tiveram expansão de cerca de 40%

SÃO PAULO - Pela primeira vez em dez anos, o mercado brasileiro de planos de saúde fechou em retração. Em 2015, houve debandada de cerca de 766 mil beneficiários, reflexo direto da crise econômica e do aumento do desemprego. Esse movimento, no entanto, tem servido de combustível para outro segmento, o de clínicas populares, que está em plena expansão no País.

Nos últimos meses, sobretudo de setembro do ano passado para cá, empresas como Dr. Consulta, MinutoMed e Acesso Saúde, conhecidas por cobrarem no máximo R$ 120 por consulta médica, registraram crescimento de cerca de 40% na procura pelo serviço.

Para dar conta da demanda, a Dr. Consulta, que atende em média 25 mil pacientes por mês em 11 endereços na Grande São Paulo, vai inaugurar até o fim do ano outras 19 unidades. A empresa reservou R$ 40 milhões para esse crescimento, dinheiro que é fruto do investimento, feito no ano passado, de dois fundos, o Kaszek Ventures, comandado pelos fundadores do Mercado Livre, e o suíço LGT Venture Philanthropy, especializado em negócios de impacto social. “A demanda está alta. Vamos utilizar todo o aporte em nosso crescimento”, conta o médico e economista Marcos Fumio, sócio da Dr. Consulta.

De acordo com os empresários, a escalada do desemprego reforçou o aumento da procura pelo serviço. “As pessoas não querem ir para o SUS”, diz Antônio Carlos Brasil, da Acesso Saúde, que hoje tem 13 clínicas no Brasil e vai inaugurar outras 18 até dezembro. “A gente nota que a maioria desses novos pacientes tinha convênios médicos, mas perderam o plano de saúde junto com o seus empregos.”

Os números oficiais endossam a percepção dos empreendedores. Nos dados divulgados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) na semana passada, os contratos coletivos, aqueles oferecidos por empresas e associações como benefício aos funcionários, foram os mais afetados, com 533.534 distratos ao longo de 2015 – responsável por quase 70% da debandada no setor.

“Não há como desassociar essa queda da atual crise econômica do País. Segundo dados do Caged, o Brasil fechou 2015 com perda de 1,5 milhão de postos de trabalho com registro em carteira”, diz o superintendente executivo do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (Iess) Luiz Augusto Carneiro.

Foi justamente após perder o emprego, em agosto do ano passado, que a operadora de turismo Gizella Flor Batistela se viu atrás de uma consulta médica particular. “Fiquei sem convênio e precisei ir ao dermatologista. Mas nem tentei o SUS, acho que demora muito”, conta ela, enquanto esperava o orçamento para um hemograma completo em uma clínica popular. “Eles querem me cobrar uns R$ 200 pelo exame. Sinceramente, achei um pouco caro, vou pesquisar em outras redes. A gente agora vê um monte delas por ai”, afirma.

Dr. Marcos Fumio, médico e economista socio da Dr. Consulta, rede de atendimento médico-hospitalar que oferece servicos a preços populares 

Dr. Marcos Fumio, médico e economista socio da Dr. Consulta, rede de atendimento médico-hospitalar que oferece servicos a preços populares 

De fato, uma das estratégias adotadas pelas redes do setor é tentar se posicionar em locais de grande movimentação popular. A MinutoMed, do português Don Cordeiro, por exemplo, tem hoje três operações, todas em shopping centers da Grande São Paulo. “Nossa expansão acontecerá por shoppings, estações de metrô ou ruas movimentadas, como o Largo 13 ou a (Rua) 25 de março”, diz o administrador de empresas, que tem um plano ambicioso: montar 200 operações no Brasil em seis anos. “A gente tem suporte de três grupos de investidores: um europeu, um norte-americano e um brasileiro”, conta.

Fundos. Não é à toa que o setor tem sido alvo de uma outra corrida, a de investidores. “Apesar da crise, são empresas que continuam no radar de investidores, já que o risco de queda de demanda é considerado pequeno”, afirma Alexandre Pierantoni, sócio da Pactor Finanças Corporativas, butique de fusão e aquisição especializada em médias empresas. “É um segmento de atendimento básico, de baixa complexidade, que cresce com a carência de mercado (a ineficiência do sistema público de saúde) e com a dificuldade das classes C e D de fazer desembolsos mensais para manter um plano de saúde.”

O negócio das clínicas populares é baseado no poder de negociação na compra de insumos e de materiais e, principalmente, no emprego pesado de tecnologia para agilizar processos e manter os custos na rédea curta. “Temos hoje o mesmo sistema de TI usado no hospital universitário de Harvard (nos Estados Unidos)”, diz Fumio, da Dr. Consulta. / COLABOROU CÁTIA LUZ

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX