Tony Heff/ WSL
Tony Heff/ WSL

Dona da Quiksilver compra a rival Billabong por US$ 155 milhões

Boardriders vai pagar 1 dólar australiano por ação da Billabong, o que representa valorização de 28% nos papeis da companhia; empresa aposta na redução de custos ena recuperação da confiança do consumidor no verão de 2018

O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2018 | 17h01

A Boardriders, dona da marca de roupas Quiksilver, anunciou nesta sexta-feira, 5, que fechou acordo para comprar a sua principal rival Billabong por US$ 155 milhões. A companhia, que atua no segmento de moda praia, já é dona das marcas Roxy e DC Shoes. A Billabong, por sua vez, é detentora das marcas RVCA, Element e Von Zipper. 

Pelo acordo, a Boardriders vai pagar 1 dólar australiano por ação da Billabong, representando valorização de 28% do papel em relação ao preço até então de 0,78 dólar australiano no dia 30 de novembro de 2017, quando a negociação começou a ser noticiada.

A Boardriders é controlada pela Oaktree, uma firma de capital de risco que resgatou o Billabong em 2013 de uma espécie de recuperação judicial  com um acordo de refinanciamento. A empresa de private equity dos EUA aposta agora na redução de custos e na recuperação da confiança do consumidor nas compras do meio do Verão no hemisfério Norte para ajudar a recuperar as vendas da Billanbong, que ainda passa por dificuldades. 

+Empresa lança óculos inteligente que posta fotos no Instagram e Facebook

Negócio. A Oaktree já detém 19%  da Billabong e fez a oferta de aquisição por meio de seu negócio de roupas esportivas controlada pela Boardriders Inc, anteriormente conhecida como Quicksilver.

"É uma perspectiva de varejo difícil, mas provavelmente é o momento perfeito para  (...) reduzir custos, fazer marketing e se os consumidores começarem a gastar, observar (a situação do) estoque", avaliou o estrategista de portfólio de mercado da Blue Ocean Equities, Mathan Somasundaram.

A empresa registrou uma perda pós-impostos de US$ 77,1 milhões no ano passado diante do crescimento estagnado dos salários e da forte concorrência de varejistas de "fast fashion", como H&M e fornecedores on-line.

+Estrela terá loja no Shopping Morumbi para cosméticos e editora de livros infantis

O presidente do Billabong, Ian Pollard, disse em um comunicado que, embora Billabong tenha feito progressos nos últimos anos, enfrentou "riscos e incertezas contínuas". A empresa da Gold Coast devia à Oaktree e à Centrebridge US$ 172,2 milhões em 30 de junho, de acordo com o relatório anual da empresa.

Preço. O preço da oferta de US$$ 1 por ação representa um prêmio de 4,2% ao preço de fechamento da Billabong na quinta-feira, 4, e um prêmio de 28,2% ao preço das ações antes da oferta ter sido anunciada em 1º de dezembro de 2017.

Os diretores de Billabong recomendaram por unanimidade que a oferta e as ações subiram 2,86% para negociar em A $ 0,99 no comércio da tarde, sugerindo que os comerciantes acreditam que o acordo receberá apoio aos acionistas.

A Boardriders, que é controlada em aproximadamente 85% pela Oaktree, disse que a compra complementaria as marcas existentes, permite parcerias "mais profundas" com fornecedores e redução de custos.

A compra está sujeita à aprovação dos acionistas e reguladores. A Boardriders espera que ele seja concluído no primeiro semestre de 2018 e disse que a entidade combinada será liderada pelo diretor-gerente da Dave Oakley, Dave Tanner./COM REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Moda Esportiva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.