1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Empresas de commodities na Bolsa têm prejuízo recorde de R$ 91,3 bilhões

- Atualizado: 30 Março 2016 | 05h 00

Afetadas pela queda das commodities e obrigadas a reavaliar ativos, Petrobrás e Vale responderam, sozinhas, por 86,5% do total de perdas em 2015; outro fator que pesou foi o câmbio

Vale teve maior prejuízo da lista, com perdas de R$ 44,2 bilhões em 2015
Vale teve maior prejuízo da lista, com perdas de R$ 44,2 bilhões em 2015
O resultado de 2015 foi devastador para empresas brasileiras ligadas à área de commodities listadas no Ibovespa – índice de referência da Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa). Companhias de peso – como Vale, Petrobrás, Gerdau, Gerdau Metalúrgica, Usiminas, Klabin e Suzano – registraram as piores baixas de sua história e somaram prejuízo de R$ 91,3 bilhões, segundo levantamento da consultoria Economática feito a pedido do ‘Estado’. As quedas mais expressivas foram de Vale e Petrobrás, que, juntas, respondem por 86,5% desse total.

Nos casos de Vale e Petrobrás, o resultado foi afetado não só pela queda nas vendas, mas também pela redução dos valores das cotações internacionais do minério de ferro e do petróleo. As empresas também foram obrigadas a rever o valor de seus ativos devido aos preços das commodities e das estimativas futuras de produção, o que acarretou correções em seus balanços.

“Verificou-se que muitos ativos não eram capazes de recuperar os seus preços. Então, contabilmente, eles precisavam de um ajuste no valor”, explica o analista da Planner Corretora, Luiz Francisco Caetano.

No caso da Vale, que teve prejuízo de R$ 44,2 bilhões, o preço da tonelada do minério de ferro está em US$ 54,70 atualmente – o insumo vale menos de um terço da cotação de cinco anos atrás, quando atingiu o pico de US$ 187,18 por tonelada. Já o barril de petróleo chegou à mínima de US$ 27 (em janeiro deste ano) – hoje, vale pouco mais de US$ 40. A Petrobrás perdeu R$ 34,9 bilhões no ano passado.

A boa notícia, segundo o analista da Planner, é que as commodities devem apresentar alguma reação em 2016. “Aparentemente, as commodities já bateram no fundo do poço e a tendência agora é de alta. Com a expectativa de que a crise política esteja próxima de alguma solução no Brasil, estamos formando um conjunto de fatores positivos nos resultados deste ano”, diz Caetano, alertando que a recuperação será gradual.

Câmbio. Além da queda nos preços das commodities, as empresas sofreram com o fator câmbio. Em 2015, o dólar disparou (43,1%) frente ao real, fechando o ano a R$ 3,85. Embora esse dado possa, a princípio, parecer positivo para as exportadoras, boa parte das dívidas dessas companhias também é cotada na moeda americana.

Foi justamente este fator que afetou negativamente os balanços da Klabin e da Suzano – ambas produtoras de papel e celulose. No caso da Klabin, o endividamento aumentou por causa do investimento de US$ 4 bilhões na nova fábrica de Ortigueira, no Paraná, que começou a operar no último dia 4. A empresa perdeu R$ 1,2 bilhão em 2015, enquanto a Suzano teve prejuízo de R$ 925 milhões.

O analista Victor Suzaki, da Lerosa Investimentos, afirma que ambas as empresas têm bons resultados operacionais e estão relativamente “tranquilas”. “O ano passado foi bom para o mercado de celulose, com preços operando perto das máximas”, diz Suzaki.

 

 

 

Gerdau, Usiminas e Gerdau Metalúrgica viram seus lucros líquidos caírem R$ 4,5 bilhões, R$ 3,2 bilhões e R$ 2,3 bilhões, respectivamente, em 2015. Mais uma vez, a conjuntura pesou contra: há excesso de aço no mercado e também aumento da concorrência de produtores chineses.

As siderúrgicas vendem produtos de maior valor agregado e por preços maiores no mercado interno – sobretudo para a indústria automobilística e a construção civil –, mas a crise econômica teve um impacto negativo sobre as vendas no País. Lá fora, o problema é a falta de competitividade em relação aos preços oferecidos pelos chineses.

Exceções. Destoando do cenário de prejuízos recorde, Braskem e Companhia Siderúrgica Nacional apresentaram resultados favoráveis em 2015. Por usar nafta (derivado do petróleo) como combustível, a Braskem se beneficiou da queda das commodities. Além disso, boa parte da receita da petroquímica vem dos EUA e da Europa, o que fez a empresa ser beneficiada também pela alta do dólar e registrar lucro recorde de R$ 3,15 bilhões em 2015.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX