1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Francesa Sodexo compra Puras e vira líder em refeições coletivas no Brasil

Fernando Scheller, de O Estado de S. Paulo

06 Setembro 2011 | 23h 00

Falta de plano de sucessão foi um dos motivos para a gaúcha Puras, fundada há 30 anos por Hermes Gazzola, optar pela venda

A gigante francesa Sodexo anunciou nesta terça-feira, 6, a compra da empresa número dois no mercado de refeições coletivas no País, a gaúcha Puras, por  525 milhões (cerca de R$ 1,2 bilhão), valor muito próximo à receita anual da companhia. Com o negócio, o grupo francês será alçado à condição de líder do segmento, com faturamento anual superior a R$ 2 bilhões e cerca de 40 mil funcionários.

A venda da Puras, segundo as partes envolvidas, foi motivada pela falta de um plano de sucessão para a empresa fundada pelo gaúcho Hermes Gazzola. Segundo comunicado distribuído pela Sodexo, a empresa gaúcha recebeu outras propostas de compra, mas optou pela oferta do grupo francês. A ideia de ajudar a montar uma nova líder no setor, superando a GRSA, teria sido um fator de motivação.

A Puras, que faturou R$ 1,26 bilhão em 2010, tinha pequena vantagem sobre a Sodexo em receita no mercado de refeições coletivas, no qual o grupo francês ocupava a quarta posição, atrás também da Gran Sapore. Os 22 mil funcionários da Puras em todo o Brasil se juntarão aos 17 mil da Sodexo. Além dos restaurantes em empresas, que representa cerca de 70% de suas receitas locais, a multinacional mantém ainda um braço de benefícios no mercado brasileiro, negócio que ganhou força após a compra da VR, em 2007, por R$ 1 bilhão.

Com a venda para o grupo francês, que fatura mais de  15 bilhões por ano, Gazzola será nomeado presidente do Conselho de Administração das operações locais da Sodexo no segmento de refeições coletivas. O fundador da Puras não terá funções executivas: sua função será aconselhar a integração dos dois negócios e identificar outras oportunidades de desenvolvimento específicas para o segmento de refeições coletivas.

Liderança. A empresa que surgirá após a união dos dois negócios estará longe de ser uma líder isolada: a participação da múlti francesa no mercado local será de 7,7%, resultado da soma dos 4,5% detidos pela Puras e dos 3,2% que a Sodexo já contabilizava. Dada a pulverização do mercado, as empresas consideram pouco provável que o negócio enfrente dificuldades de aprovação nos órgãos oficiais de defesa da concorrência.

Uma das justificativas da Sodexo para o negócio foi a expansão apresentada pela Puras, que ficou ao redor de 20% nos últimos anos - e o grupo prevê um crescimento anual de 15% após a conclusão da compra. A aquisição da Puras também servirá para cumprir o objetivo do grupo francês de ganhar a liderança do mercado de refeições coletivas em todos os países Bric (sigla para Brasil, Rússia, Índia e China).

Uma das preocupações da Sodexo, segundo comunicado divulgado a investidores - a matriz é listada na Bolsa de Paris -, é a manutenção dos atuais clientes das duas companhias. A Sodexo e a Puras dividem hoje o atendimento às maiores empresas nacionais, como Petrobrás e Vale. Entre os clientes da multinacional francesa estão instituições financeiras como Santander, Itaú e Bradesco, enquanto a Puras tem em seu portfólio indústrias como a Whirlpool e a Usiminas.