1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Em sociedade com japonesas, Gerdau vai fornecer peças para eólicas

- Atualizado: 27 Janeiro 2016 | 15h 05

Sociedade contará com R$ 280 milhões em investimentos e o empreendimento ficará dentro da usina da siderúrgica gaúcha em Pindamonhangaba

O diretor-presidente da Gerdau, André Gerdau Johannpeter

O diretor-presidente da Gerdau, André Gerdau Johannpeter

SÃO PAULO - A Gerdau anunciou que fará uma joint venture com as empresas japonesas Sumitomo Corporation e The Japan Steel Works (JSW), com o objetivo de fornecer peças para torres de geração de energia eólica a partir de 2017. A sociedade a ser formada envolverá R$ 280 milhões em investimentos para a aquisição de novos equipamentos de produção e o empreendimento ficará dentro da usina da siderúrgica gaúcha em Pindamonhangaba, interior de São Paulo.

A sociedade, que ainda depende de aprovação das autoridades concorrenciais, deverá ter a Gerdau como sua principal sócia, com mais de 50% de participação, mas as fatias ainda serão definidas no momento do fechamento da operação.  "Estamos trabalhando para transformar a Gerdau em uma empresa com melhor eficiência e rentabilidade, considerando os desafios atuais e futuros do mercado mundial do aço. Para isso, buscamos nos unir a parceiros com experiência reconhecida em seus segmentos de atuação", destaca, em nota enviada à imprensa, o diretor-presidente da Gerdau, André Gerdau Johannpeter. O executivo destaca que a meta é ter produtos de alta tecnologia que geram mais margem de retorno.

Além de peças para torres eólicas, a nova empresa também produzirá cilindros para a indústria do aço e do alumínio, produtos que já são produzidos pela Gerdau e comercializados para mais de 30 países. Segundo a Gerdau, a capacidade total de peças para indústria eólica e cilindros deverá alcançar 50 mil toneladas por ano. A companhia destaca que as perspectivas para a indústria eólica no Brasil são promissoras.

A Gerdau detalhou que esse projeto é fruto do projeto Gerdau 2022, lançado em 2015, que tem como objetivo aumentar a competitividade de todas as operações a partir de uma visão estratégica de longo prazo, envolvendo a simplificação das operações e estruturas internas, a modernização da cultura empresarial, a reavaliação do potencial de rentabilidade dos ativos e o desenvolvimento de novas oportunidades de negócio.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX