1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Gigante chinesa de eletrodomésticos Midea tenta se consolidar no Brasil

- Atualizado: 04 Fevereiro 2016 | 05h 00

Para aumentar sua relevância na América Latina, empresa decidiu aumentar o portfólio de produtos no País, até agora focado em aparelhos de ar-condicionado e micro-ondas; hoje, região responde por menos de 5% do faturamento global de US$ 24 bilhões

A crise que afeta boa parte da América Latina não fez a gigante chinesa Midea, dona de um faturamento de US$ 24 bilhões em 2014, mudar os planos para região. Maior fabricante de eletrodomésticos em seu país, a empresa quer deixar de ser conhecida só como uma marca de aparelhos de ar-condicionado. O plano começa pelo Brasil, onde a companhia está lançando lava-louças, refrigerador, cooktop, coifa, forno elétrico e outros eletroportáteis. No primeiro momento, os produtos serão importados da China. A empresa que, além do Brasil, está na Argentina e no Chile, pretende estar presente em todos os países da região.

Para comandar o projeto, foi escolhido o executivo João Cláudio Guetter, ex-presidente da Electrolux para América Latina, exceto o Brasil. Dos 28 anos que trabalhou na rival, nos últimos seis ele se dedicou a um projeto muito parecido de expandir a marca sueca na região. “Na época, muita gente relacionava a Electrolux só com aspirador de pó, não com eletrodoméstico.” Em seis anos, ele levou a operação para quase todos os países da região. A receita de US$ 300 milhões subiu para US$ 1 bilhão.

Guetter, CEO da América Latina (esq.) e Costa, do Brasil, comandam a expansão
Guetter, CEO da América Latina (esq.) e Costa, do Brasil, comandam a expansão
Há um mês no cargo, Guetter diz que entrar na América Latina é muito difícil por causa das barreiras tributárias. Já em relação à crise, ele não a vê como um obstáculo. “A América Latina sempre teve altos e baixos, mas é um mercado muito importante.” Antes da recessão, o Brasil respondia por 50% das vendas de eletrodomésticos da região.

Dentro da receita global da Midea, a América Latina representa menos de 5%. “A meta para cinco anos é que a empresa seja uma participante importante do mercado de eletrodomésticos na região”, diz.

Plataforma. Nesse plano, o Brasil terá papel importante. Guetter não descarta a possibilidade de que o País se torne uma plataforma de exportação para os vizinhos, especialmente agora com o real desvalorizado. Segundo o executivo, os valores investidos no plano de cinco anos ainda não estão fechados e serão conhecidos após uma reunião marcada para março.

Presente no Brasil desde os anos 2000, com produtos importados distribuídos por um parceiro local, o grande salto da companhia chinesa no País ocorreu em 2011, quando fechou uma joint-venture com a Carrier. Com 51% da sociedade, a Midea passou a fabricar os aparelhos de ar condicionado localmente em duas fábricas. A unidade de Canoas (RS) concentra a produção de equipamentos de ar-condicionado comercial e, na de Manaus, são fabricados os aparelhos splits e fornos de micro-ondas desde 2014. Essa unidade recebeu investimentos de US$ 20 milhões, entre 2012 e 2014, para ter sua capacidade quadruplicada.

“A joint-venture foi feita com a intenção de usar a plataforma da Carrier para que a marca Midea atingisse um novo patamar”, diz o presidente da Midea Carrier no Brasil, Felipe Costa. Dados da consultoria Euromonitor indicam que, em 2015, a Midea foi a segunda em unidades vendidas de aparelhos de ar-condicionado split no País, atrás da coreana Samsung. Em micro-ondas ficou na sexta posição no ranking liderado por Electrolux.

Em 2015, o faturamento da empresa na América Latina, hoje presente em apenas três países – Brasil, Argentina e Chile – girou em torno de R$ 3 bilhões, com crescimento de 10% em relação ao ano anterior. Costa explica que as vendas no Brasil caíram e acompanharam a retração do mercado, que foi de cerca de 20%. O crescimento da receita da região foi puxado por Argentina, onde tem uma fábrica, e Chile, com um distribuidor.

Para 2016, o presidente da operação brasileira prevê mais um ano de retração no mercado de eletrodomésticos. Por isso, a companhia pretende focar em ganhos de produtividade e redução de custos na produção dos eletrodomésticos fabricados localmente. Só em mão de obra o ajuste foi forte. Em janeiro de 2015, a companhia empregava no País 2,5 mil trabalhadores e hoje tem 1,8 mil.

Outra meta é ampliar a oferta de itens, mas ainda com importados. “Queremos que a Midea do Brasil seja como a da China: uma fabricante completa de eletrodomésticos”, diz Costa. A empresa está testando o mercado de portáteis, com fritadeira, panela de arroz e de pressão elétrica.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX