1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Gol fecha 2015 com prejuízo 284,1% superior ao de 2014

- Atualizado: 30 Março 2016 | 11h 39

Prejudicada pela alta do dólar frente ao real, empresa aérea registrou as maiores perdas de sua história

A companhia aérea Gol anunciou, ontem à noite, um prejuízo líquido de R$ 1,13 bilhão no quarto trimestre de 2015. Ao longo de todo o ano passado, a empresa perdeu R$ 4,29 bilhões, uma alta de 284,1% nas perdas. O resultado de 2015  é equivalente a quase o quádruplo das perdas do ano anterior, que somaram R$ 1,1 bilhão.

Trata-se do pior prejuízo da história da Gol. O resultado também supera a maior perda anual conjunta do setor aéreo para um ano, registrada em 2012, quando todas as empresas somadas tiveram um prejuízo de R$ 3,63 bilhões.

 Resultado de 2015 é equivalente a quase o quádruplo das perdas do ano anterior

 Resultado de 2015 é equivalente a quase o quádruplo das perdas do ano anterior

A receita líquida da Gol somou R$ 2,65 bilhões de outubro a dezembro de 2015 e de R$ 9,78 bilhões no ano fechado – ambos os resultados mostraram retrações sobre 2014.

A empresa justificou os resultados principalmente pela desvalorização do real frente ao dólar, que ficou próxima de 50% no ano passado. Despesas como querosene de aviação, leasing de aeronaves e manutenção da frota são cotadas na moeda americana.

Segundo a companhia, os prejuízos acumulados refletem perdas com a variação cambial de R$ 4,48 bilhões nos últimos cinco anos, que levaram a Gol a um patrimônio líquido negativo de R$ 4,32 bilhões em dezembro de 2015.

O resultado operacional – que desconta perdas em outras áreas, como a ocasionada pela variação cambial – foi negativo em R$ 95,3 milhões no quarto trimestre, conforme o balanço da Gol. No ano, as perdas foram de R$ 183,8 milhões. Em 2014, a empresa teve resultados operacionais positivos.

Redução de voos. Além dos resultados negativos, a Gol divulgou também ontem alguns de “guidances” (objetivos) operacionais para 2016. A companhia aérea projeta uma queda na oferta de assentos, medida pela multiplicação do número de poltronas disponíveis pela distância de cada voo (ASK, na sigla em inglês), entre 5% a 8% para este ano.

A Gol espera também uma queda de 15% a 18% no total de assentos para 2016, mesma projeção para o recuo no volume total de decolagens neste ano. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX