1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo negocia com chineses obra parada da Abengoa

- Atualizado: 30 Março 2016 | 05h 01

State Grid pode assumir a construção de uma subestação para escoar energia de Belo Monte; projeto foi abandonado por empresa espanhola

Subestação é parte crucial para levar energia de Belo Monte para região Sudeste
Subestação é parte crucial para levar energia de Belo Monte para região Sudeste
BRASÍLIA - A gigante chinesa State Grid negocia com o governo a possibilidade de assumir a construção de uma subestação de energia da Abengoa, no Pará, para evitar que a paralisação de obras da companhia espanhola atrapalhe o cronograma de sua linha de transmissão, projeto de 2.092 quilômetros que vai escoar a energia da hidrelétrica de Belo Monte.

Segundo apurou o Estado, a proposta partiu do próprio governo, que vê nesta alternativa uma forma de minimizar os estragos que a crise financeira da Abengoa tem espalhado no setor elétrico. A ideia é que a concessionária Belo Monte Transmissora de Energia (BMTE), liderada pela chinesa State Grid, em parceria com Furnas e Eletronorte, faça a obra que os espanhóis abandonaram. O assunto está sendo discutido pela diretoria da BMTE e deve ter uma definição nos próximos dias.

A preocupação do governo é grande, porque a subestação que a Abengoa já deveria ter concluído é parte crucial para levar a energia de Belo Monte para a região Sudeste do País. Sem essa estrutura paralela, a linha de mais de 2 mil quilômetros que os chineses começaram a construir no fim do ano passado não poderá entrar em operação. Para a BMTE, porém, isso não é problema, já que não se trata de uma obra que estava prevista em seu contrato. Com ou sem ela, portanto, eles serão remunerados pelo projeto que entregarem.

O assunto foi tema de uma reunião realizada no início de fevereiro na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Durante o encontro com diretores e técnicos da agência, a BMTE declarou que a Abengoa se negou a executar o remanejamento de uma estrutura de transmissão próxima de Altamira (PA), na região onde a usina está sendo construída. A concessionária também alertou que é “necessário resolver problema ATE XXI (terreno e barramento)”, nome dado à concessionária liderada pela Abengoa.

Por contrato, a linha principal de Belo Monte executada pelos chineses tem de estar plenamente operacional em fevereiro de 2018. A Abengoa, que construía uma segunda linha de menor porte para levar a energia da hidrelétrica à região Nordeste, já tinha que ter concluído seu projeto. O tempo médio estimado para concluir a subestação é de um ano de trabalho, com investimentos de aproximadamente R$ 130 milhões. A estrutura de Altamira, no entanto, ainda não passa de um terreno na fase de terraplenagem.

Risco. Paralelamente ao plano de assumir a obra abandonada pela Abengoa, o que efetivamente preocupa os chineses é a necessidade de ter de alterar o traçado originalmente previsto para a sua linha de transmissão, rede que tem origem na estação conversora Xingu, em Altamira, e segue até a estação de Estreito, em Minas Gerais.

Depois de passar um pente-fino no caminho previsto para receber a instalação de 3.788 torres de alta tensão, o Ibama exigiu a alteração de rota em cerca de 50 locais, por conta de impacto ao meio ambiente. Após discussões com a área técnica da BMTE, a licença de instalação da obra dada pelo Ibama reduziu essas mudanças para 22 áreas. Internamente, porém, a concessionária avalia que, caso essas realocações tenham que ser feitas, o cronograma das obras poderá ser comprometido em até um ano, além de elevar o custo do projeto e resultar na necessidade de reequilíbrio financeiro.

Durante encontro na Aneel, a BMTE informou que “preparou contestação sobre esses pontos a ser submetido ao Ibama”. Segundo os chineses, “mesmo com essas dificuldades”, o prazo de conclusão do projeto em 12 de fevereiro de 2018 está mantido.

Fora da concessionária BMTE, a State Grid avalia a possibilidade de adquirir os demais ativos que a Abegoa possui na linha de transmissão de Belo Monte. A canadense Brookfield também está no páreo. As empresas não comentam o assunto. Nas últimas semanas, o governo tem quebrado a cabeça para encontrar a melhor alternativa financeira e jurídica que retire os espanhóis do negócio e libere as obras.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX