Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Holandesa LyondellBasell aborda Braskem sobre compra de controle da petroquímica

Segundo fontes ouvidas pelo jornal americano 'The Wall Street Journal', o valor inicialmente oferecido pela empresa estrangeira seria de US$ 10 bilhões; valor de mercado da petroquímica brasileira é calculado em quase US$ 11,5 bi

Renato Carvalho, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2017 | 21h13

A holandesa LyondellBasell fez uma abordagem à Braskem para, possivelmente, comprar o controle da companhia brasileira. A informação foi noticiada pelo jornal americano The Wall Street Journal e impulsionou as ações da petroquímica na B3, a bolsa de valores brasileira, a uma valorização de dois dígitos. Braskem PNA encerrou o dia com alta de 11,96%, e ON, que tem poucos negócios, subiu 11,83%.

++Minoritário da Braskem irá à CVM contra aquisição da Cetrel

Segundo fontes ouvidas pelo jornal, o valor inicialmente oferecido pela LyondellBasell seria de US$ 10 bilhões, diante de um valor de mercado calculado em quase US$ 11,5 bilhões, e dívidas que se aproximam deste mesmo valor. A apuração do WSJ dá conta de que as negociações estão em estágio inicial e não há garantias de que o negócio será fechado. A LyondellBasell tem valor de mercado de aproximadamente US$ 40 bilhões.

++PF achou anotações de valores da Odebrecht e Braskem na casa de Aécio

Em julho, a Petrobrás já anunciava conversas com a sua sócia na petroquímica, a Odebrecht, para revisar o acordo de acionistas. A venda pela estatal de sua fatia na Braskem faz parte de um plano da Petrobrás de se desfazer de US$ 21 bilhões em ativos ao longo deste e do próximo ano. 

LyondellBasell e Braskem operam com carteiras similares de produtos, mas os países mais atendidos pelas duas empresas são diferentes. Os produtos incluem o polietileno, que é usado em itens como sacos de lixo e embalagens de leite.

A empresa holandesa tem presença importante nos Estados Unidos e foi fundada em 2007, quando a Basell International Holdings pagou US$ 12,7 bilhões para adquirir a norte-americana Lyondell Chemical, com sede em Houston. O negócio deixou a nova empresa com US$ 20 bilhões em dívidas pouco antes da crise financeira global. Um pouco mais de um ano após a fusão, a LyondellBasell teve falência decretada.

A companhia saiu da falência em 2010, depois de eliminar US$ 5 bilhões em dívidas. O bilionário ucraniano Len Blavatnik, dono da holding Access Industries, teve papel importante na recuperação. Recentemente, os executivos da empresa química indicaram um grande apetite por aquisições.

Representantes de LyondellBasell e Petrobrás não puderam comentar o assunto imediatamente. A Odebrecht não se manifestou de imediato, e a Braskem preferiu não se pronunciar. /COM INFORMAÇÕES DE DOW JONES NEWSWIRES E REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Braskem Petrobrás Odebrecht

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.