1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Inflação oficial desacelera para 0,55% em janeiro

Economia & Negócios e Agência Estado

07 Fevereiro 2014 | 09h 00

Resultado ficou abaixo da inflação verificada em dezembro e representou o menor IPCA para o mês de janeiro desde 2009, segundo o IBGE

SÃO PAULO - A inflação oficial do País começou o ano registrando uma desaceleração em relação ao resultado de dezembro. Em janeiro, o Índice de Preço ao Mercado Amplo (IPCA) avançou 0,55%, ficando 0,37 ponto percentual abaixo dos 0,92% registrados em dezembro de 2013. Esse foi o menor IPCA para um mês de janeiro desde 2009, quando o indicador ficou em 0,48%. Em janeiro de 2013, o IPCA havia sido de 0,86%.

Os dados foram divulgados pela Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, 7. Com o resultado, a inflação acumulada em 12 meses também recuou, para 5,59%. Em dezembro, o IPCA acumulado havia subido 5,91%.

O resultado ficou abaixo do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pela Agência Estado, que iam de uma taxa de 0,57% a 0,74%, com mediana de 0,60%.

O IPCA deste mês trouxe uma novidade: passou a incorporar duas novas regiões. Conforme anunciado em agosto de 2013, a partir deste ano Vitória, no Espírito Santo, e Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, passaram a fazer parte da pesquisa. Com a entrada das duas novas regiões, São Paulo teve ligeira perda de participação no cálculo do IPCA. A participação de São Paulo passou de 31,68% em dezembro para 30,67%.

Grupos. Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, cinco ficaram abaixo do resultado de dezembro e quatro mostraram aceleração.

O grupo Alimentação e bebidas registrou desaceleração no ritmo de aumento de preços na passagem de dezembro para janeiro, mas ainda deu a maior contribuição de grupo para a inflação. Os alimentos saíram de uma alta de 0,89% em dezembro para aumento de 0,84% em janeiro. O impacto no IPCA passou de 0,22 ponto porcentual a 0,21 ponto porcentual.

O grupo Transportes foi o principal responsável pela desaceleração na inflação medida pelo IPCA na passagem de dezembro para janeiro. As passagens aéreas foram o destaque, com queda de 15,88% em janeiro após um aumento de 20,13% em dezembro, junto com os combustíveis, que passaram de uma alta de 4,12% em dezembro para aumento de 0,77% em janeiro.

Os preços da gasolina subiram 0,60% em janeiro, bem abaixo da alta de 4,04% verificada em dezembro, quando refletiu o reajuste de 4% em vigor nas refinarias desde 30 de novembro.

Já o etanol continuou subindo por conta do início da entressafra da cana, mas também teve resultado menor em janeiro do que em dezembro: a alta passou de 4,83% para 1,43%. O óleo diesel, que teve reajuste de 8% nas refinarias a partir de 30 de novembro, subiu 0,91% em janeiro, após um aumento de 4,89% em dezembro.

Os preços das viagens interestaduais realizadas através de ônibus cresceram 0,81% em janeiro, ante alta de 1,30% em dezembro.

Ainda no grupo Transporte, as tarifas dos ônibus intermunicipais tiveram alta de 1,76%. Em dezembro, o aumento tinha sido mais modesto, de apenas 0,25%. Houve destaque nos reajustes praticados nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro (4,49%) e de Belo Horizonte (6,06%).

As tarifas de táxi subiram 3,28% em janeiro contra 0,18% em dezembro, devido aos aumentos ocorridos na região metropolitana de Curitiba (7,65%) em decorrência do reajuste de 15% em vigor desde 16 de dezembro, e do Rio de Janeiro (11,20%), com reajuste de 11,90% em 02 de janeiro.