1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Investidores olham fatia da Petrobrás na Braskem

- Atualizado: 25 Janeiro 2016 | 08h 45

Os grupos Brookfield, do Canadá, e Saudi Aramco, da Arábia Saudita, têm interesse no negócio

Interesse da Saudi Aramco na Braskem é antigo

Interesse da Saudi Aramco na Braskem é antigo

Pelo menos dois grandes grupos estrangeiros estão interessados em conversar com a Petrobrás para comprar a fatia da estatal na petroquímica Braskem. A petroleira faz parte do bloco de controle da companhia, com 36,1% da participação na petroquímica.

Os grupos Brookfield, do Canadá, e Saudi Aramco, da Arábia Saudita, têm interesse no negócio, apurou o Estado. “A Brookfield está olhando vários negócios no Brasil, não só ligados à infraestrutura, como mercado imobiliário. O braço de private equity da companhia (que compra participações em empresas) está bem ativo”, disse uma fonte próxima ao assunto.

Segundo essa mesma fonte, ainda não há negociações em curso, mas a fatia da Braskem interessa à Brookfield. A multinacional está só esperando o aval da estatal para avaliar melhor o ativo.

Já o interesse da Saudi Aramco na Braskem é antigo. O que pesa, segundo fontes, é o fator Petrobrás. “Neste momento, os gestores avaliam quais seriam as implicações de se tornar sócio de um negócio que pertence à Petrobrás”, disse outra fonte, referindo-se à Operação Lava Jato, que investiga corrupção na estatal. A Braskem tem a Odebrecht e a Petrobrás como acionistas e ambas são alvo de investigação. Grupos estatais chineses também têm interesse na petroquímica. Na semana passada, a Petrobrás confirmou que pretende se desfazer da fatia na Braskem. O Bradesco BBI tem o mandato do negócio. A estatal colocou outros ativos à venda e tem pressa em vendê-los. 

Procurada, a Brookfield não comentou. Saudi Aramco e Petrobrás não retornaram pedidos de entrevista.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX