Rafael Arbex/ESTADÃO
Rafael Arbex/ESTADÃO

JBS desiste de abrir capital na Bolsa de Nova York

Pedido de oferta inicial de ações (IPO) da JBS Foods, subsidiária da empresa nos EUA, tinha sido apresentado em dezembro de 2016

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2017 | 09h56

A JBS desistiu de fazer a abertura de capital (IPO, na sigla em inglês) da JBS Foods International na Bolsa de Nova York (Nyse), nos Estados Unidos. Em comunicado publicado na Securities and Exchange Commission (SEC), o órgão regulador dos mercados norte-americanos, nesta segunda-feira, a empresa oficializa a retirada do documento "F1", que corresponde a uma prévia do IPO. A última perspectiva da empresa era de que o IPO fosse concluído no segundo semestre de 2018.

No documento em que solicita a retirada da Declaração de Registro à SEC, a empresa diz apenas que "decidiu não prosseguir a venda de valores mobiliários neste momento". "A Declaração de Registro não foi declarada efetiva e nenhum título foi oferecido ou vendido ou será oferecido ou vendido", informa.

+ Relatório da CVM sobre JBS deve sair no fim de outubro

Ainda no mesmo texto, a JBS diz que, de acordo com o parágrafo da Regra 477 do Securities Act, "a companhia entende que este pedido de retirada será considerado concedido a partir da data em que está arquivado na Comissão (SEC), a menos que, no prazo de 15 dias após essa data, a empresa receba notificação do regulador de que este pedido não será concedido". 

Tentativa. A JBS anunciou, em dezembro do ano passado, a aprovação do protocolo na SEC para uma oferta na Nyse. A perspectiva inicial era de que este processo fosse concluído no primeiro semestre de 2017. O prospecto chegou a ser atualizado no início de abril, com os resultados completos de 2016. A Renaissance Capital estimava que o IPO da JBS poderia movimentar US$ 2,5 bilhões e ser um dos maiores do ano em Wall Street. No entanto, as denuncias e investigações envolvendo os sócios das empresa foi adiando este processo. Em maio, o então presidente da empresa, Wesley Batista, afirmou que, enquanto houvessem pendências que impactassem no valuation da operação, "não valeria a pena" concluir o plano.

O IPO era considerado um passo estratégico para a empresa. A abertura de capital nos EUA ocorreria como uma alternativa à reestruturação societária que envolveria a criação da JBSFI, que seria listada na Nyse e na B3, e que foi vetada justamente pelo BNDES no fim do ano passado. Uma das justificativas da empresa para esse movimento seria melhorar a sua avaliação no mercado. 

 

Mais conteúdo sobre:
JBS Nova York [Estados Unidos]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.