1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

LATAM registra prejuízo líquido de US$ 219 mi em 2015, 99,6% a mais que ano anterior

- Atualizado: 09 Março 2016 | 10h 02

No quarto trimestre do ano, dona da TAM e da LAN teve prejuízo líquido de US$16,3 milhões, revertendo lucro que havia registrado em igual intervalo de 2014

De acordo com o grupo Latam Airlines, o resultado do 4º trimestre foi impactado pela despesa não-recorrente de US$ 71 milhões de custos com devolução de aeronaves

De acordo com o grupo Latam Airlines, o resultado do 4º trimestre foi impactado pela despesa não-recorrente de US$ 71 milhões de custos com devolução de aeronaves

São Paulo - O grupo LATAM Airlines, dona da TAM e da LAN, registrou um prejuízo líquido de US$ 16,3 milhões no quarto trimestre de 2015, revertendo assim o lucro de US$ 98,3 milhões registrado em igual intervalo do ano anterior. Com isso, o resultado de 2015 foi de US$ 219,184 milhões de prejuízo líquido, representando um avanço de 99,6% em comparação às perdas registradas em 2014, que foram de US$ 109,790 milhões. 

O resultado do trimestre, segundo fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), inclui uma despesa não-recorrente de US$ 71 milhões de custos com devolução de aeronaves, "relacionados principalmente à desativação gradual da frota de aeronaves Airbus A330, que deve ocorrer ao longo de 2016", informou o grupo.

Em novembro, o grupo havia anunciado que 20 aviões  serão devolvidos neste ano e o cronograma de recebimento de novas aeronaves deve ser postergardo até 2018. Além da desativação da frota, a Latam menciona uma perda cambial de US$ 57,1 milhões, referente à desvalorização do peso argentino e do bolivar venezuelano.

De janeiro a dezembro de 2015, o lucro operacional somou US$ 513,919 milhões, ficando praticamente estável na comparação com 2014. A margem operacional passou de 4,1% para 5,1%.

O Ebitdar recuou 2,6% na comparação anual, para US$ 1,973 bilhão, com margem Ebitdar passando de 16,2% em 2014 para 19,5% em 2015. O Ebitda atingiu US$ 1,448 bilhão, queda de 3,7%, e a margem Ebitda subiu de 12,1% para 14,3%.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX