1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Mineradora Anglo American tem prejuízo de US$ 5,62 bi em 2015

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 10h 58

Resultado foi afetado pela queda nos preços das commodities e por uma baixa contábil de US$ 5,7 bi; empresa, no entanto, mostra otimismo com projeto Minas-Rio

A Anglo American informou nesta terça-feira, 16, que registrou prejuízo líquido de US$ 5,6 bilhões no ano de 2015, resultado pior que o prejuízo líquido de US$ 2,5 bilhões do ano anterior. A receita caiu 26% na mesma comparação, para US$ 23 bilhões. A empresa teve prejuízo antes de impostos de US$ 5,45 bilhões no ano passado. 

Os resultados da mineradora listada em Londres foram afetados por uma baixa contábil de US$ 5,7 bilhões e pelos preços mais baixos das commodities. 

Por outro lado, a companhia afirmou prever que o projeto Minas-Rio atinja fluxo de caixa positivo neste ano. Além disso, a mineradora anunciou uma série de medidas para gerar um fluxo de caixa positivo em 2016, além de ter como meta vender de US$ 3 bilhões a US$ 4 bilhões em ativos no ano atual, acima dos US$ 2 bilhões antes previstos para este ano e o próximo.

Mineroduto Minas-Rio, da Anglo American, é o maior do mundo
Mineroduto Minas-Rio, da Anglo American, é o maior do mundo
A Anglo American planeja usar a receita extra para reduzir sua dívida líquida para menos de US$ 10 bilhões até o fim de 2016, de US$ 12,9 bilhões no fim de dezembro. Além disso, busca restaurar sua nota de crédito para o nível de grau de investimento, após a agência Moody's rebaixar o papel ao grau especulativo na segunda-feira. 

As ações da Anglo American caíram 67% ao longo do último ano, o pior desempenho entre as integrantes do índice FTSE-100 da Bolsa de Londres, diante da queda nos preços das commodities, por causa da desaceleração na China e do excesso de oferta de commodities pelo mundo.

Em dezembro, a Anglo anunciou um plano mais agressivo para se desfazer de até 60% de seus ativos e cortar mais que 50% de sua força de trabalho, para se concentrar em menos ativos, mais rentáveis, e gerar lucro mesmo com o preço baixo das commodities. Agora, ela pretende se desfazer de 70% de seus ativos, para se concentrar em três commodities: cobre, diamante e platina. (Com informações da Dow Jones Newswires).

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX