1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Mudança no setor de educação passa pela arquitetura das salas

- Atualizado: 25 Janeiro 2016 | 09h 35

Para conectar e integrar alunos, redes de ensino precisam tornar o ambiente físico mais amigável à tecnologia

Estácio criou sua própria versão do ‘datashow’, diz Lindália Reis
Estácio criou sua própria versão do ‘datashow’, diz Lindália Reis

SÃO PAULO - Em meio ao processo de digitalização do conteúdo, os grupos de educação tem de pensar em um novo formato das salas de aula. Em vez de inibir o uso do celular pelos alunos, as novas salas são desenhadas para estimular o uso de dispositivos móveis para acessar plataformas digitais de ensino. O ambiente também deve ser mais “amigável” para receber trabalhos em equipe e, em algumas ocasiões, estimular o aluno a ser mais ativo no processo de ensino.

A inspiração para a nova sala de aula vem de ambientes como os escritórios das empresas de tecnologia e das cafeterias Starbucks, afirma o arquiteto Kiko Sobrino, que desenvolve projetos para escolas há cerca de três anos. “O aluno já é digital, mas a sala de aula ainda é um ambiente analógico. Ela precisa de uma evolução”, diz.

Sobrino projetou uma sala de aula para o grupo Santillana, que oferecerá às escolas uma opção para adaptar seus ambientes. A regra é ter um ambiente conectado, com mesas compartilhadas, centrais de carregadores e QR codes para divulgar a tabela periódica, por exemplo.

 

Renovação. Para acessar conteúdos online na sala de aula, a Estácio repensou o antigo “datashow”. A empresa pesquisou no mercado aparelhos que pudessem se adaptar à sala de aula, mas, na falta de um produto adequado, desenvolveu sua própria solução. A Estácio criou o “telion”, uma espécie de TV equipada com processador da Intel. No telion, o professor pode escrever na própria tela, acessar um conteúdo no sistema de ensino da universidade, marcar o texto digital e receber dúvidas de alunos. “Não temos a pretensão de inventar a roda. Mas tivemos de criar nossa própria solução porque o que encontramos no mercado não era viável. Ou era muito caro e não dava para usar em grande escala ou era uma solução muito difícil de ser usada pelos professores”, afirma a diretora de inovação da Estácio, Lindália Reis.

Desde que construiu o protótipo, a Estácio já produziu 100 unidades do telion na fábrica da Samsung. Para este ano, a meta é colocar o aparelho em 4 mil salas de aula. A empresa é dona de uma patente internacional do produto e avalia licenciar o eletrônico para outras escolas interessadas. 

Mão na massa. Além de adaptações para receber a tecnologia, as salas são reformadas para estimular o aluno a ser mais ativo no processo de ensino. 

Para isso, o grupo Anima pretende construir laboratórios “maker” nas suas universidades. São espaços onde os alunos podem fazer protótipos de suas ideias. O primeiro deles foi inaugurado no ano passado na Unimonte, em Santos (SP), e mais dois serão criados neste semestre - na UniBH e na Una, ambas em Minas Gerais. Além dos laboratórios, a Anima pretende construir 50 salas de aulas inovadoras neste ano, com puffs, mesas em triângulo e outras adaptações para facilitar o trabalho em grupos.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX