1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Nissan anuncia aporte de R$ 750 mi para produzir novo veículo

- Atualizado: 04 Janeiro 2016 | 16h 08

Investimentos serão feitos na fábrica da montadora em Resende (RJ) durante três anos; para o presidente da companhia, previsões de contração do mercado são 'otimistas'

RIO - Apesar das perspectivas pouco animadoras para o mercado automotivo nacional em 2016, a Nissan lançou nesta segunda-feira, 4, um plano de negócios de R$ 750 milhões em três anos para avançar no segmento de SUVs, com o lançamento do Kicks, veículo que será produzido na fábrica de Resende (RJ) e chegará ao mercado ainda este ano. 

O investimento substitui o plano de R$ 2,6 bilhões, de 2011 a 2016, que incluiu a construção da fábrica, inaugurada em 2014. A montadora prevê adicionar 600 empregos à atual equipe de 1,5 mil funcionários até o pico do projeto.

O investimento da Nissan mira um dos poucos segmentos em que houve crescimento em 2015, quando o mercado automotivo encolheu em torno de 25%. O presidente mundial da Renault-Nissan, Carlos Ghosn, que anunciou o lançamento na sede da empresa no Brasil, no Rio, destacou que o quadro do curto prazo é de pessimismo. 

Para o executivo, a projeção da Anfavea, de nova contração no mercado em 2016, desta vez de 5%, é "otimista". "Eu, pessoalmente, acho um pouco otimista. Se o mercado contrair 5% seria uma boa notícia", afirmou Ghosn, que lançou dúvidas sobre a volta do crescimento do mercado em 2017. "Seria uma enorme surpresa se o mercado voltasse a crescer em 2016 ou mesmo em 2017", completou o executivo.

No lançamento do Kicks, os executivos da Nissan destacaram que, apesar da queda nas vendas em 2015, a empresa conseguiu registrar retração abaixo das demais companhias e, dessa forma, ganhou mercado. A Nissan passou de 2,1% para 2,5% do mercado nacional. "Não posso dizer que foi um grande ano, mas aumentamos nossa participação no mercado", afirmou Ghosn. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX