1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Oi contrata assessoria americana para buscar saída para crise

- Atualizado: 02 Março 2016 | 05h 00

Sem a injeção de até US$ 4 bilhões de fundo russo, situação fica mais complicada para a quarta maior operadora do País

A operadora Oi contratou a empresa americana PJT Partners como assessora financeira, com objetivo de tentar a ajudar a companhia a reorganizar suas contas e buscar capital, apurou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. A dívida bruta da Oi, de R$ 53,6 bilhões, é considerada insustentável na atual estrutura de capital.

A Oi dava como certa uma injeção de capital do fundo russo LetterOne, de até US$ 4 bilhões, mas a operação foi suspensa com o fim das conversas de fusão da empresa com a TIM. Sem o recurso, a Oi deve agora tentar uma solução alternativa de capital e, posteriormente, reestruturar a sua dívida.

Fusão entre a OI e a TIM foi descartada

Fusão entre a OI e a TIM foi descartada

As três principais agências de classificação de risco cortaram a nota da companhia recentemente. Os credores estrangeiros, que reúnem cerca de R$ 40 bilhões da dívida da Oi, já embutem nos preços a reestruturação e uma perda de até 80% do valor do que investiram. No mercado, alguns escritórios especializados em recuperação de empresas comentam até que, teoricamente, a recuperação judicial seria a única solução. O problema é que a Oi, como prestadora de serviço público, poderia perder a concessão nesse caso.

Rebaixamento. A Moody’s foi a agência de risco que baixou a nota da Oi para mais perto da categoria que remete à perspectiva de uma reestruturação da dívida. O rating corporativo foi cortado em três níveis na moeda estrangeira e local, para Caa1/Caa1.br, de Ba3/A3.br, respectivamente. A Fitch tem a segunda pior nota para a companhia, em B; e a Standard & Poor’s (S&P) a classifica em B+, um nível acima da Fitch.

A expectativa das três agências é de que a empresa terá pressão nos vencimentos a partir de 2017, já que sua posição de caixa este ano seria suficiente para honrar os compromissos com dívida, que somam mais de R$ 11 bilhões. Em 30 de setembro do ano passado, o caixa da companhia estava em R$ 16,4 bilhões. Em 2017, as obrigações da Oi estão em R$ 9 bilhões.

Mauro Storino, da Fitch, sinalizou que a agência tem expectativa de que a companhia encontre alguma solução para reforçar sua operação ou seu caixa este ano, a fim de evitar uma reestruturação de sua dívida. “Se chegarmos até agosto e algo diferente não acontecer, há probabilidade do rating ser novamente rebaixado”, disse.

A chegada de investidores para colocar capital na companhia depende, em parte, da perspectiva de mudança regulatória, de acordo com especialistas. Atualmente, a Oi é a maior concessionária de telecomunicações no Brasil, o que prende a empresa a metas e obrigações relacionadas à universalização do serviço através de telefonia fixa. Uma mudança no modelo, com uma possível transição para a estrutura de autorização e foco em internet de alta velocidade, poderia permitir mais investimentos e abriria caminho para uma atualização da companhia.

A urgência por uma solução também foi citada pela analista Luísa Vilhena, da S&P. Se a Oi não encontrar uma saída no curto prazo, o nível de divida da companhia vai acabar consumindo toda a geração de caixa operacional nos próximos dois anos. No exterior, os detentores de bônus já questionam escritórios de advogados brasileiros para entender quais são as opções que têm e os riscos a que estarão expostos em eventual reestruturação da dívida da companhia.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX