Divulgação
Divulgação

Petrobrás admite que Lava Jato pode prejudicar abertura de capital da BR

Em documento divulgado a potenciais investidores, companhia diz que inquérito que corre em sigilo pode apontar ilícitos na empresa de distribuição

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2017 | 13h07

Eventuais desdobramentos da Operação Lava Jato são fatores de risco citados pela BR Distribuidora no prospecto de sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). Segundo o documento, esse ponto pode prejudicar a reputação da empresa e, assim, afetar os negócios "de forma negativa e relevante".

No prospecto, a BR, controlada pela Petrobrás, resume a Lava Jato como uma operação que investiga "corrupção e lavagem de dinheiro visando apurar eventuais irregularidades em contratos celebrados pela Petrobrás com diversas construtoras". 

O documento aponta que ainda há inquéritos em andamento no Supremo Tribunal Federal (STF) e no poder judiciário federal do Paraná, "que também podem versar sobre ilícitos praticados em detrimento dos interesses da Companhia e os quais ainda a Companhia não teve pleno acesso".

A empresa complementa e diz que não é possível garantir que "os desdobramentos das investigações relacionadas à Operação Lava Jato não podem levar à descoberta e potencial confirmação de novas irregularidades envolvendo a Companhia, seus empregados e ex-empregados, o que pode causar danos aos negócios, resultados financeiros e imagem da Companhia".

+ Diretor executivo de operação e logística da BR Distribuidora renuncia

Processos bilionários. Outro fator de risco citado no prospecto é que decisões desfavoráveis em processos judiciais, arbitrais ou administrativos podem afetar a companhia. 

Ao todo, a BR está no polo passivo de mais de 10 mil processos judiciais, arbitrais ou administrativos, com um valor total envolvido de mais de R$ 12 bilhões.

Os interesses da Petrobrás podem, ainda, ser conflitantes com os interesses dos demais acionistas. "A Petrobrás poderá ter interesse em realizar aquisições, alienações de ativos, parcerias, busca de financiamentos, ou tomar outras decisões que podem vir a ser consideradas conflitantes com os interesses dos demais acionistas da Companhia e que podem não resultar em melhorias dos resultados operacionais da Companhia, o que pode afetar adversamente a cotação da ação de emissão da Companhia", destaca a empresa.

Por fim, outros riscos referem-se a eventuais riscos de crédito, inadimplência de clientes e práticas anticompetitivas, evasão fiscal e adulteração de combustíveis no segmento de distribuição de combustíveis, que podem distorcer os preços de mercado. 

 

Mais conteúdo sobre:
Petrobrás Petrobrás Distribuidora

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.