Sérgio Neves/Estadão
Sérgio Neves/Estadão

Petros vende por R$ 4,5 bilhões fatia na Itaúsa para Fundação Zerrenner

Em operação realizada na Bolsa, fundo de pensão dos funcionários da Petrobrás se desfez de 15,3% das ações da holding de investimentos do grupo Itaú; fundação que arrematou o negócio administra patrimônio dos fundadores da Antarctica

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2017 | 05h00

A Fundação Antônio Helena Zerrenner, que administra o patrimônio da família fundadora da cervejaria Antarctica – que se fundiu com a Brahma, dando origem à Ambev –, anunciou na última sexta-feira, 15, a compra de 15,31% das ações ordinárias da Itaúsa, holding de investimentos do grupo Itaú Unibanco, por R$ 4,519 bilhões. A fatia adquirida pertencia a Petros (fundo de pensão da Petrobrás), que saiu totalmente do negócio.

A operação foi realizada via leilão na B3 (antiga BM&FBovespa). Ao Estado, Edson De Marchi, diretor executivo da fundação, disse que a entidade passa a deter assento no conselho da Itaúsa, que neste ano anunciou a compra da Alpargatas. A fundação também é uma das maiores acionistas da Ambev, com 10,2% das ações ordinárias da gigante de bebidas.

RELEMBRE Cade aprova venda da Alpargatas, da J&F, para Itaúsa, Cambuhy e Brasil Warrant

De Marchi afirmou que a fundação, que tem R$ 37 bilhões sob gestão, já tinha interesse em ter participação na Itaúsa há pelo menos sete anos. Nos últimos anos, a Zerrenner começou a comprar ações ordinárias e preferenciais do banco Itaú. Para concretizar a operação, a fundação vendeu entre quinta-feira e sexta-feira os papéis do banco para se posicionar no novo negócio. Ao mesmo tempo, o Itaú recomprou suas próprias ações colocadas à venda pela entidade.

++Acordo com a J&F repassará ao Petros quase R$ 2 bi ao longo de 25 anos

Em comunicado ao mercado, a Petros informou que vendeu todas as suas ações da Itaúsa. Foram negociadas 431,172 milhões de ações, que representam 5,76% do capital total da holding de investimento do Itaú. As ações foram vendidas em leilão a R$ 10,50, valor 13% maior do que a cotação média do papel nos últimos 12 meses.

O fundo de pensão da Petrobrás adquiriu fatia relevante na Itaúsa em novembro de 2010 – o Petros montou posição ao comprar a participação que pertencia ao grupo Camargo Corrêa, por US$ 1,6 bilhão à época.

Diversificação. Segundo De Marchi, a compra dos papéis da Itaúsa representa um processo de diversificação da fundação Zerrenner, que tinha boa parte de seu patrimônio posicionado nos papéis da Ambev. A entidade também tem assento no conselho da cervejeira. “Resolvemos investir na Itaúsa, que consideramos uma empresa sólida e referência em governança.”

Expansão. A holding de investimento do Itaú Unibanco está em um momento de diversificação de seus negócios. A Itaúsa voltou às manchetes ao comprar, em julho, a fatia que a J&F – holding da família Batista, dona da JBS – detinha na Alpargatas, proprietária de marcas como Osklen e Havaianas.

Desde o ano passado, a Itaúsa já vinha sinalizando ao mercado sua intenção de ter fazer aquisições. Em 2016, a companhia chegou a analisar uma possível transação com a BR Distribuidora, da Petrobrás – o negócio acabou não indo adiante, e a empresa de distribuição de combustíveis da Petrobrás decidiu abrir seu capital, em operação que foi concluída nesta semana.

Além do investimento no Itaú Unibanco e na Alpargatas, a Itaúsa também tem participação na Duratex (fabricante de painéis de madeira, metais e louças), na NTS (transportadora de gás natural) e na Elekeiroz (especialidades químicas).

Fundação. A Fundação Zerrenner foi criada em 1936, após a morte de Helena Zerrenner, única herdeira da fortuna do marido, Antonio, que falecera três anos antes. O imigrante alemão Zerrenner havia sido um dos primeiros donos da Antarctica, fundada no fim do século 19. A companhia cresceu nas primeiras décadas do século 20, deixando milionário o casal, que não teve filhos.

Dedicada ao setor de educação, a Fundação Zerrenner é patrocinadora dos planos de assistência médica e das bolsas de estudos oferecidos a funcionários e aposentados da Ambev. A instituição também afirma manter projetos gratuitos de ensino fundamental, médio e profissionalizante, por meio de uma estrutura própria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.