1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Peugeot Citroën inicia produção do novo compacto 208

- Atualizado: 30 Março 2016 | 09h 50

Grupo afirma diz quemotor 1.2 importado da França é 20% maiseconômico do que aversão 1.5 nacional

Linha de montagem e produção do novo  Peugeot 208 na fábrica de Porto Real, Rio de Janeiro

Linha de montagem e produção do novo  Peugeot 208 na fábrica de Porto Real, Rio de Janeiro

A PSA Peugeot Citroën iniciou nesta semana a produção do novo compacto 208 na fábrica de Porto Real (RJ). O modelo passou por reformulações internas e externas e será lançado na próxima semana. A principal novidade é o motor 1.2 de três cilindros que, segundo a empresa, é 20% mais econômico que o atual 1.5 de quatro cilindros e mais eficiente. O equipamento, em versão flex, será importado da França, estratégia incomum nessa faixa de segmento.

Segundo o presidente do grupo no Brasil e América Latina, Carlos Gomes, a forte desaceleração no mercado de veículos não justifica a produção local do motor, mesmo com o câmbio desfavorável às importações. “Precisa de volume de 80 mil a 100 mil unidades por ano para ser viável produzir localmente”, diz. O motor foi desenvolvido nos últimos três anos por engenheiros brasileiros e franceses.

Na parte que coube ao Brasil no projeto do motor e das adaptações ao modelo, similar ao lançado na Europa há seis meses, a PSA investiu R$ 200 milhões, valor que integra o plano de aportes de R$ 3,7 bilhões do grupo iniciado em 2011 e encerrado em 2015. Gomes não revela quanto seria necessário para a produção local do novo motor. Ressalta também que o grupo não tem, no momento, a definição de um novo plano de investimentos. “Seria um insensatez falar de valores agora, mas vamos cumprir o nosso programa e colocar (aportes) no seu tempo”.

No ano passado, as vendas da PSA no Brasil caíram 38,3% em relação a 2014, num mercado que encolheu 25,6%, para 2,4 milhões de automóveis e comerciais leves. A previsão de Gomes para este ano, tendo como base os resultados do primeiro trimestre, é de que as vendas no segmento fiquem abaixo de 2 milhões de unidades.

Ele ressalta, contudo, que mudanças podem ocorrer num curto espaço de tempo. “Vejam o exemplo da Argentina, que se apresenta como um país cheio de expectativa e está atraindo investidores; creio que o Brasil também tem condições de fazer esse trabalho”, diz, sem entrar em detalhes nas questões econômicas e políticas.

Lucro. O Brasil foi o único país na região onde a PSA registrou prejuízos em 2015. Compensado pelo crescimento dos demais mercados, o grupo registrou lucro na América Latina pela primeira vez, ao contrário de grandes marcas como Ford e General Motors.

Gomes acredita que, com novos produtos, as marcas Peugeot e Citroën vão voltar a ganhar espaço no mercado doméstico, além de recuperar exportações. No ano passado, o grupo já havia investido R$ 150 milhões no início da produção do Citroën Aircross e R$ 400 milhões no Peugeot 2008.

O preço do novo Peugeot 208 será divulgado na próxima semana, mas a expectativa do mercado é de que não haja mudança significativa em relação ao preço atual, que parte de R$ 48 mil. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX