Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Produção da Nissan cai quase 40% no Brasil

Negócios

MARCOS DE PAULA/ESTADÃO

Economia

Nissan

Produção da Nissan cai quase 40% no Brasil

Queda é mais acentuada que a do setor, que registrou baixa de 15% no 4º trimestre de 2015 ante o 3º trimestre

0

ANDRÉ ÍTALO ROCHA,
O Estado de S.Paulo

11 Fevereiro 2016 | 09h13

SÃO PAULO - A produção de veículos da Nissan no Brasil caiu 38,2% no quarto trimestre de 2015 em comparação com o terceiro trimestre, informou ontem a montadora japonesa, em seu balanço global. Foram 8.382 unidades produzidas nos últimos três meses de 2015, contra 13.562 no período anterior. Em relação ao último trimestre de 2014, também houve queda, de 0,9%.

A queda da montadora no País é mais acentuada do que na indústria automotiva brasileira como um todo, que registrou baixa de 15% no quarto trimestre do ano passado sobre o terceiro trimestre. Além disso, a produção brasileira da empresa vai na contramão do seu resultado global, que apresentou crescimento de 3,72% na passagem do terceiro para o quarto trimestre de 2015, para um total de 933.323 veículos. Na comparação com o quarto trimestre de 2014, o volume produzido cresceu 1,4%. O ano fiscal da Nissan vai até março de 2016.

Ainda no resultado global, a montadora japonesa apresentou lucro líquido de 127,2 bilhões de ienes nos últimos três meses de 2015, o equivalente a US$ 1,1 bilhão. O montante representa crescimento de 25% em relação ao quarto trimestre do ano anterior. 

No Brasil, a Nissan conta com duas fábricas, uma em São José dos Pinhais, no Paraná, e outra em Resende, no Rio de Janeiro, ambas mantidas em parceria com a Renault. No início de janeiro, a Nissan anunciou que vai começar a produzir em Resende o utilitário esportivo Kicks, tipo de veículo que tem se mostrado mais resiliente à crise brasileira. A montadora terminou 2015 como a nona marca que mais vende no Brasil, com 2,47% de participação de mercado.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.