1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Proposta pedagógica deve ser consistente, diz especialista

- Atualizado: 25 Janeiro 2016 | 09h 45

Na visão de estudiosos, uso da tecnologia não pode ser só ‘show de marketing’; é preciso ter ganho na aprendizagem

No colégio Dante Alighieri, aluno ganham um tablet da escola e as salas têm lousas digitais
No colégio Dante Alighieri, aluno ganham um tablet da escola e as salas têm lousas digitais

SÃO PAULO - Em escolas e faculdades onde a aposta tecnológica é antiga, professores relatam maior aprendizagem e engajamento dos alunos. O risco, segundo especialistas, é investir apenas no uso dos equipamentos sem uma proposta pedagógica consistente.

Na Trevisan Escola de Negócios, de São Paulo, a maioria das salas é equipada com lousa digital. Na classe, todo estudante leva um notebook ou tablet. “O movimento que o professor executa na lousa, o aluno pode acompanhar do próprio computador”, explica Renato Tavares, coordenador do curso de Ciências Contábeis da escola. “Ele recebe tudo que é reproduzido na tela. Não precisa ficar disperso, copiando a matéria.”

Além de preparar melhor para a tecnologia que vai encontrar no mercado de trabalho, os equipamentos agilizam as aulas. “É possível exemplificar um cálculo matemático bem mais rápido e sobra tempo para discutir a matéria”, afirma Tavares.

A tecnologia também está na rotina do Dante Alighieri, tradicional colégio particular de São Paulo. No ensino médio, cada aluno ganha um tablet da escola e as salas têm lousas digitais.

“No mundo de hoje é impossível pensar na formação do aluno, social e do trabalho sem esse viés da tecnologia, que eles trazem de antes da escola”, defende Valdenice Minatel, coordenadora de tecnologia do Dante. “E embora nativos digitais, eles ainda são ingênuos. É preciso discutir sobre ética e criticidade nesse universo”, afirma.

A escola usa ainda as plataformas de “ensino adaptativo”. Os acertos, erros e o tempo gasto em cada questão, registrados no ambiente virtual, dão pistas para planejar classes e mapear dificuldades mais comuns da turma.

“O professor dá exercícios e, pelos dados do sistema, sabe o que priorizar, antes mesmo de iniciar um novo conteúdo”, diz Valdenice.

Cuidados. Educadores veem o uso da tecnologia ao mesmo tempo com otimismo e preocupação. “É positivo porque fala a linguagem do jovem, que hoje é conectado à tecnologia, e torna a escola mais atrativa”, afirma a diretora da faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Neide Noffs.

Ela, porém, diz temer que grupos educacionais usem as inovações para reduzir o número de docentes ou para transformá-los em meros operadores de sistemas. “Isso não pode precarizar o papel do professor. É fundamental manter a função de promotor do conhecimento.”

Para Roberto Lobo, ex-reitor da Universidade de São Paulo (USP), as tecnologias devem ser bem integradas ao projeto educacional. “Se bem usadas, e não só como um show de marketing, podem melhorar e muito o processo de aprendizagem”, afirma.

A tecnologia também dinamiza as classes. “Está provado que a tradicional aula expositiva de 50 minutos, com um monólogo nem sempre interessante do professor, não prende a atenção por mais de 20 minutos”, afirma Lobo. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX