1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Receita da Avon cai 34% no Brasil em 2015 com câmbio e crise

- Atualizado: 11 Fevereiro 2016 | 13h 39

No quarto trimestre de 2015, a receita da empresa de cosméticos caiu 44%; redução no valor médio dos pedidos impactou o resultado

Em 2015, como parte do ajuste fiscal, as distribuidoras de cosméticos passaram a pagar IPI

Em 2015, como parte do ajuste fiscal, as distribuidoras de cosméticos passaram a pagar IPI

SÃO PAULO - A receita da Avon no Brasil caiu 44% no quarto trimestre de 2015 na comparação com igual período do ano anterior, considerando o valor em dólares. O resultado foi impactado pela depreciação do real, mas a companhia também destacou que houve uma redução no valor médio dos pedidos em meio ao difícil cenário macroeconômico. No acumulado de 2015, a Avon registrou queda de 34% da receita no Brasil, sendo que, se for desconsiderado o efeito cambial, o recuo seria de 8%.

Também desconsiderando o efeito cambial, a queda na receita da companhia no Brasil é de 14% no último trimestre de 2015 ante os mesmos meses de 2014. A companhia afirmou que, dessa queda, 8 pontos porcentuais foram causados pelo aumento do IPI sobre cosméticos. Em 2015, como parte do pacote de ajuste fiscal, as distribuidoras de cosméticos passaram a pagar IPI, resultando em maior carga tributária para o setor. Houve ainda um impacto de 4 pontos relacionados a créditos de ICMS no Brasil que ocorreram em 2014 mas não em 2015, disse a empresa.

Ainda que todos os efeitos tributários fossem desconsiderados, a Avon ainda teria reportado queda de 2% na receita no Brasil no trimestre, "principalmente por um menor valor médio dos pedidos, o que foi parcialmente ofuscado por um aumento no número de revendedores ativos", disse a empresa. A companhia considerou que o mercado brasileiro continua sendo impactado por um cenário macroeconômico difícil e altos níveis de competição.

O desempenho no ano ficou abaixo da média do mercado de higiene e beleza, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec). Em 2015, a Abihpec reportou queda real de 6% no faturamento do setor, o que indica um crescimento nominal de cerca de 5% considerando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do ano.

Para compensar os efeitos negativos, a Avon anunciou uma estratégia que deve combinar cortes de custos e aumentos de preços no Brasil. A companhia também está mudando o portfólio de produtos e incluindo itens mais caros. O presidente da Avon Brasil, David Legher, afirmou em entrevista recente ao <b>Broadcast</b> que a operação no País, que hoje é o maior mercado da Avon no mundo, deverá se beneficiar dos recursos aportados pelo fundo de private equity Cerberus Capital Management na companhia. A empresa fechou com o Cerberus um acordo para comprar uma participação de 80,1% da subsidiária na América do Norte. Essa operação foi separada do resto da companhia e, além disso, o Cerberus também comprou fatia de 16,6% na Avon.

A fabricante de cosméticos já havia informado em janeiro que reportaria uma queda nas vendas no consolidado de suas operações em 2015. A receita no mundo caiu 19% em no ano, ficando em US$ 6,076 bilhões. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX