Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Renault espera queda de 6% nas vendas de automóveis no País

Negócios

Divulgação

Economia

Renault

Renault espera queda de 6% nas vendas de automóveis no País

Brasil é o principal mercado da montadora fora da França, mas projeções para este ano apontam que China e Índia terão melhor desempenho

0

André Ítalo Rocha,
O Estado de S.Paulo

12 Fevereiro 2016 | 18h14

A montadora francesa Renault informou nesta sexta-feira, 12, na divulgação de seu balanço global, que espera que o mercado brasileiro de veículos leves (automóveis e comerciais leves) apresente uma queda de 6% nas vendas deste ano em relação a 2015, quando 2,476 milhões de unidades foram comercializadas nestes dois segmentos. A previsão da Renault se aproxima da estimativa da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), que espera baixa de 5,9%. 

O Brasil é o principal mercado da Renault fora da França. No ano passado, a marca vendeu no País um total de 181.504 unidades, segundo o balanço. O resultado representa uma queda de 23,4% em relação ao volume de 2014, considerando automóveis e comerciais leves. A retração foi menos intensa do que a do mercado como um todo, que recuou 25,5% na mesma comparação. Por ter caído menos que a média, a Renault conseguiu elevar a sua participação no mercado brasileiro, de 7,1% em 2014 para 7,3% em 2015.

Apesar de prever queda nas vendas no Brasil em 2016, a montadora francesa espera que mercado global de veículos leves apresente crescimento de 1% a 2% em relação a 2015. Os países da Europa devem ter alta de 2%, a mesma previsão para a França. Na Ásia, a China deve ter expansão de 4% a 5% e a Índia deve crescer 8%. Já para a Rússia a previsão é que a retração seja maior do que no Brasil, de 12%.

Em seu balanço, a Renault informa também que suas vendas em todo o mundo cresceram 3,3% em 2015, para 2,8 milhões de unidades, enquanto o mercado teve alta de 1,6%. Com isso, a montadora teve lucro líquido de € 2,82 bilhões no ano passado, avanço de 49% ante 2014. A receita da empresa cresceu 10,4%, para € 45,33 bilhões. 

Mais conteúdo sobre:

Comentários