1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Rio Tinto congela salário de todos os funcionários para 2016

- Atualizado: 14 Janeiro 2016 | 16h 22

Queda nos preços do minério de ferro e do cobre pressiona os resultados da segunda maior mineradora do mundo

O preço do minério de ferro caiu 70%, para pouco menos de US$ 40

O preço do minério de ferro caiu 70%, para pouco menos de US$ 40

LONDRES - A gigante mineradora Rio Tinto congelou os salários de todos seus funcionários, incluindo o executivo-chefe, e pediu à equipe que corte todas as atividades não essenciais para preservar caixa, em meio à forte queda recente nos preços das commodities. 

As ações em Londres da mineradora anglo-australiana, a segunda maior do mundo em valor de mercado, caíram quase 40% ao longo do último ano, diante da queda do preço do minério de ferro e do cobre.

O preço à vista do minério de ferro, um componente fundamental da fabricação do aço e o principal motor da receita da Rio Tinto, caiu 70%, para pouco menos de US$ 40 a tonelada, de US$ 130 um ano antes, enquanto o preço do cobre recuou mais de 20% no mesmo período, para atingir em Londres nesta quinta-feira nova mínima em seis anos e meio, a US$ 4.330 a tonelada.

Um porta-voz da empresa, David Outhwaite, disse que a decisão de congelar os salários foi a mais difícil das ações tomadas, já que a situação não reflete o trabalho duro e o esforço colocados pelos funcionários. "Mas isso é necessário, diante do contexto do mercado."

Questionado sobre se a companhia cortaria também seu dividendo para preservar caixa, o porta-voz não quis comentar. Analistas esperam que a Rio Tinto enfrente pressão para cortar o dividendo, após outras grandes mineradoras, como a brasileira Vale, a suíça Glencore e a britânica Anglo American cortarem seus dividendos no ano passado. A anglo-australiana BHP Billiton, maior do mundo em valor de mercado, já disse que revisará a política de dividendo em fevereiro, quando seu conselho se reunir.

O Citigroup cortou seu preço alvo para a ação da Rio Tinto em 16% nesta quinta-feira, diante da expectativa de que a companhia gere menos receita, após rebaixar sua previsão para o minério de ferro para cerca de US$ 35 a tonelada nos próximos poucos anos, de US$ 40 a tonelada anteriormente.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX