1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Salsicha da Volks vende mais que carro

- Atualizado: 24 Fevereiro 2016 | 09h 37

Em 2015, a venda de automóveis caiu 5% em relação ao ano anterior, chegando a 5,8 milhões de unidades. A procura pelo embutido, no entanto, subiu 14%

Em um ano complicado como o de 2015, foram as salsichas que deram alegria à Volkswagen. A montadora, além de veículos, também fabrica uma iguaria tradicional na Alemanha, chamada currywurst. 

Sucesso de vendas, salsichas eram refeição de funcionários 

Sucesso de vendas, salsichas eram refeição de funcionários 

Em 2015, a venda de automóveis da Volks caiu 5% em relação ao ano anterior para 5,8 milhões de unidades. A queda foi motivada principalmente pelo envolvimento da empresa em um escândalo de falsificação de resultados de emissões de poluentes que acabou levando à renúncia de seu presidente. Nesse período de crise, a venda de salsichas da Volks cresceu 14%, para 7,2 milhões. A informação é da agência de notícias alemã DPA. Elas são marcadas com a expressão “Volkswagen Originalteil” ou “Peça Genuína Volkswagen”.

A produção começou sendo destinada apenas aos restaurantes da montadora, mas hoje o produto pode ser encontrado também nas lanchonetes do estádio do Wolfsburg (o time de futebol da Volkswagen) e em supermercados. A iguaria é vendida em pelo menos 11 países. 

A história de como a Volkswagen construiu um dos mais estranhos negócios paralelos do setor automobilístico é um episódio inusitado da história industrial. Ela remonta às origens da fábrica de Wolfsburg. Para os milhares de trabalhadores que construíram o primeiro “carro do povo”, a fábrica tinha de fornecer moradia e alimentação. Nos anos 50, o açougue já produzia carnes que eram típicas da Alemanha, como o bockwurst. A currywurst veio logo depois da guerra e no fim dos anos 60 havia se tornado o prato favorito de legiões de trabalhadores. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX