Marcos Santos|USP Imagens
Marcos Santos|USP Imagens

Serviço que devolve parte do valor gasto em compras, Méliuz chega a lojas físicas em SP

Plataforma de cashback extrapola o comércio online e se estabelece em sua segunda cidade no País

Malena Oliveira, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2017 | 05h00

O serviço de cashback Méliuz passou a operar nesta segunda-feira, 10, em lojas físicas em São Paulo, em sua segunda investida além do comércio online. No mês passado, a plataforma que propõe devolver aos clientes parte do valor pago em mercadorias e serviços já havia firmado parcerias com estabelecimentos em Belo Horizonte, sua cidade natal. Até agora, só era possível usar esse tipo de serviço no comércio online no País.

Para utilizar a plataforma, o cliente precisa se cadastrar no site da empresa. As compras nas lojas físicas são feitas por meio de uma máquina de cartão habilitada, que permite operações em crédito e débito. No comércio online, no qual já era possível usar o sistema, o consumidor deve acessar a plataforma e, a partir dela, buscar o item que deseja no site de sua preferência. Feita a compra, os valores são creditados na conta do cliente na plataforma e podem ser resgatados por transferência bancária. O limite mínimo para resgates é de R$ 20.

Os porcentuais de devolução variam de acordo com os itens e podem ser consultados no site ou no aplicativo da plataforma, que funciona nos sistemas Android e iOS. Na consulta feita pelo Estado, por exemplo, era possível encontrar, lojas de eletrônicos, roupas, cosméticos, vinhos, hotéis e até aluguel de carros com devolução de até 50% do valor pago. 

O chamado cashback surgiu nos Estados Unidos, onde funciona tanto em lojas físicas como online. Para citar um exemplo, supondo que o tênis custe R$ 100 e o desconto da loja seja de 10%, o cliente pagará R$ 90. Se o porcentual de cashback do cupom for de 20%, o consumidor recebe de volta R$ 18 (20% de R$ 90). No fim das contas, o calçado de R$ 100 terá saído por R$ 72.

Em São Paulo, o Méliuz fechou acordos com 500 lojas físicas e recebe uma taxa a cada compra feita pela plataforma. Entre os estabelecimentos parceiros estão Mundo Verde, Bar Filial, Temakeria e Cia., Hooters, Esmalteria Nacional, La Gloria Pizza Bar, Brunella, Los Picos, filiais da rede de fast food Subway, Grill Hall, Hakka Sushi, Attimo e Cold Stone e postos de gasolina. No comércio online, as parcerias somam mais de 2 mil. A empresa promete, até o fim do primeiro semestre, expandir o serviço por meio de acordos com mais de 10 mil parceiros.

O serviço também recompensa os clientes que usam o aplicativo de táxi 99. Passageiros das cidades de São Paulo, Barueri, Carapicuíba, Diadema, Guarulhos, Osasco, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. O porcentual de devolução é de 2,5% para corridas normais e de 5% em corridas POP, modalidade mais barata.

"Em apenas duas semanas, nosso app teve mais de 100 mil instalações e aumentamos em 19% o volume de vendas dos nossos parceiros", diz, em nota, Israel Salmen, presidente do Méliuz. Segundo a empresa, já foram devolvidos R$ 28 milhões a mais de 2 milhões de usuários cadastrados. 

Criada por Ofli Guimarães e Israel Salmen, em 2011, a empresa possui hoje mais de 90 funcionários e pretende investir cerca de R$ 80 milhões na expansão do negócio em 2017. No ano passado, o Méliuz alcançou a marca de R$ 1 bilhão em vendas e fechou o ano com um aumento de 250% no volume de compras feitas através do site, em relação a 2015.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.