1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Sites apostam em ‘big data’ para driblar crise do setor imobiliário

- Atualizado: 15 Março 2016 | 09h 52

Empresas como o Zap Imóveis e a Viva Real compilam dados sobre comportamento do usuário em seus sites

Portais de compra e venda de imóveis estão tentando tornar as buscas mais tecnológicas, em um momento em que o setor esfriou por causa da crise econômica. Sites como Zap Imóveis e Viva Real estão investindo na contratação de econometristas e estatísticos para transformar em conteúdo os dados gerados pelas plataformas. Com o interesse em alta de incorporadoras e imobiliárias, essas informações já são vistas como uma nova linha de produto pelo setor.

A análise e comercialização de dados por empresas de internet serão debatidas durante o Summit Imobiliário Brasil 2016. A segunda edição do evento, promovido pelo Estado em parceria com o Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), será realizada no dia 12 de abril, no hotel Grand Hyatt, em São Paulo.

Estatística. Dados podem ser 20% da receita, diz Eduardo Schaeffer, CEO do ZAP Imóveis

Estatística. Dados podem ser 20% da receita, diz Eduardo Schaeffer, CEO do ZAP Imóveis

Desde o segundo semestre do ano passado, conta o presidente do Zap Imóveis, Eduardo Schaeffer, a empresa mantém uma equipe de 15 pessoas para tocar um departamento de inteligência batizado de DataZap. Os técnicos produzem estudos regionais e setoriais a partir do comportamento de navegação dos usuários no site. “No ano passado, a venda de dados foi responsável por 15% do faturamento. Acho que pode chegar a 20%, em pouco tempo”, calcula Schaeffer. O executivo percebeu ainda um aumento importante na procura por esse tipo de serviço entre incorporadoras, instituições financeiras e grandes imobiliárias.

O site Viva Real tem duas equipes de tecnologia dedicadas ao levantamento de informações de big data – como é chamado esse fluxo de informações geradas, armazenadas e analisadas a partir o tráfego de internet. Brian Requarth, fundador e presidente do site, afirma que, por enquanto, optou por não comercializar os dados.

“A gente oferece para nossos parceiros hoje sem custo, não temos um modelo de negócios para isso. A verdade é que, a partir de nosso fluxo, temos um banco de dados muito importante sobre o setor imobiliário”, diz o empresário.

Uma das equipes do Viva Real é chamada de data analytics e a outra de data science. “O time de data analytics organiza todos os nossos dados em uma base. O time de data cience foca em construir algoritmos”, explica Requarth.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX