1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Um Embraer para os pilotos ingleses

- Atualizado: 03 Fevereiro 2016 | 21h 47

Empresa vai fornecer jatos para o treinamento das Forças Armadas britânicas

O jato executivo Phenom 100, da Embraer, foi selecionado para realizar o treinamento dos pilotos das Forças Armadas do Reino Unido em aeronaves multimotor, informou a fabricante brasileira.

O contrato assinado com a Affinity Flight Training Services prevê a aquisição de cinco aeronaves para o programa Military Flight Training System (MFTS), do Ministério da Defesa do Reino Unido. O contrato também inclui um pacote de serviços e opções para aeronaves adicionais.

Contrato prevê aquisição de cinco Phenom 100
Contrato prevê aquisição de cinco Phenom 100
“Essa operação representa um selo de confiança de uma das mais respeitadas forças armadas do mundo em relação à qualidade dos nossos produtos”, afirmou Jackson Schneider, presidente da Embraer Defesa & Segurança. “Isso abre um mercado enorme para nós”, complementou.

Schneider lembrou que a empresa já havia conseguido o aval da Força Aérea dos Estados Unidos para o Super Tucano, ao fechar, em 2013, um contrato para a compra inicial de 20 aeronaves, no valor de US$ 428 milhões.

Volta. Nos anos 80, a Embraer já chegou a fornecer aviões de defesa para as forças aéreas da Inglaterra e da França. Dessa vez, no entanto, o modelo oferecido, o Phenon 100, é um avião executivo, usado para treinamento multimissão.

Segundo a Embraer, o programa MFTS destina-se a substituir o modelo de treinamento inicial, básico e multimotor, que atualmente é realizado em aeronaves mais antigas, por uma nova solução integrada, que fornece aeronaves de treinamento mais modernas, dispositivos de treinamento no solo e material didático.

A solução é derivada do modelo de formação desenvolvido pela Ascent Flight Training, empresa responsável pelos serviços de treinamento do programa MFTS no Reino Unido.

O programa MFTS do Reino Unido é voltado para a formação de pilotos das forças armadas desde a fase inicial até o treinamento em voo elementar, básico e avançado, preparando-os para atuar em suas unidades operacionais designadas.

O sistema é operado pela Ascent Flight Training, consórcio formado pela Lockheed Martin e pela Babcock International, por meio de uma parceria público-privada firmada com o Ministério da Defesa do Reino Unido.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX