1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Vale estuda venda de ativos estratégicos para reduzir dívida

- Atualizado: 25 Fevereiro 2016 | 16h 50

Preços das commodities caíram mais do que o previsto e isso afetou a geração de caixa; 'não temos apego', disse o presidente

SÃO PAULO - Para reduzir seu endividamento, a Vale passará a estudar a venda de ativos estratégicos (core) da companhia. O presidente da mineradora brasileira, Murilo Ferreira, disse que os preços das commodities caíram mais do que o previsto, afetando, dessa forma, a geração de caixa e isso trouxe um desafio a mais para concretizar a visão de desalavancar a companhia após a conclusão do seu projeto S11D, que começa a operar no segundo semestre deste ano.

"Estamos explorando opções mais agressivas para a desalavancagem, incluindo a venda de ativos core. Não temos apego", disse o executivo em teleconferência com analistas e investidores. De acordo com Ferreira, a companhia irá trabalhar mais ativamente nesse tema no segundo semestre do ano, mas que a companhia já analisa de forma racional "os méritos e deméritos" de cada ativo do seu portfólio, com uma visão também de longo prazo. "Iremos analisar também o potencial de redução de dívida que acompanharia cada uma dessas transações", explicou.

Queda no preço das commodities, como o minério de ferro, prejudicou resultados da empresa

Queda no preço das commodities, como o minério de ferro, prejudicou resultados da empresa

Todo o ativo da Vale, incluindo os setores de minério de ferro, níquel, cobre e fertilizantes - considerados core business -, poderão fazer parte do programa de desinvestimento que tem como objetivo reduzir o endividamento da empresa. A expectativa inicial é de que esse processo ocorra em um intervalo de entre 12 e 18 meses.

O diretor executivo de Finanças e de Relações com Investidores da Vale, Luciano Siani, disse que, dada a qualidade dos ativos da companhia, a venda pode seguir esse cronograma. "A Vale poderá vender participações. Esse programa não significa que a Vale vai deixar de controlar", destacou.

A alavancagem da Vale, medida pela razão da dívida bruta pelo Ebitda ajustado, subiu de 2,2 vezes no fim de 2014 para 4,1 vezes em 2015. Tendo em vista esse número e adotando medidas preventivas, a Vale acordou no ano passado um aumento do limite superior de seu covenant de alavancagem que era de 4,5 vezes para 5,5 vezes até o final deste ano.

Murilo Ferreira disse ainda que a companhia visa alcançar uma dívida líquida de US$ 15 bilhões em até 18 meses. Ao final do ano passado a dívida líquida era de US$ 25,234 bilhões. "Não queremos conviver com esse nível de alavancagem. Tem o projeto S11D, que tem um dispêndio grande e isso não nos possibilitou reduzir a alavancagem se aproveitando do ciclo de preços mais favorável", disse. 

De forma natural, disse, a Vale conseguiria atingir os níveis mais adequados de alavancagem entre 2019 e 2020, mas quer se preparar para um cenário mais desfavorável.

Conforme já anunciado pela Vale, os investimentos realizados no ano passado foram 30% menores do que os vistos em 2014 e atingiram US$ 8,401 bilhões. A projeção passada inicialmente pela companhia, em dezembro de 2014, apontava para um capex de cerca de US$ 10 bilhões, mas a empresa já havia admitido que os investimentos ficariam entre US$ 8 bilhões e US$ 9 bilhões no ano passado.

Em relação aos desinvestimentos no ano passado, a Vale levantou US$ 3,525 bilhões, com US$ 1,316 bilhão proveniente da venda de 12 navios very large ore carriers (VLOC) para empresas chinesas, US$ 1,089 bilhão da venda de 36,4% das ações preferenciais MBR, US$ 900 milhões de outra transação de goldstream e US$ 97 milhões da venda de ativos de energia.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX