Vendas de veículos caem em abril e no acumulado do ano

Unidades comercializadas somam 234.382 no mês, queda de 13,64% ante março; no ano, redução é de 0,73%

Reuters e Agência Estado,

05 Maio 2009 | 11h09

As vendas de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus novos no País recuaram em abril, fazendo o setor acumular queda nos quatro primeiros meses do ano. As vendas declinaram 13,64% em abril sobre março, para 234.382 unidades, informou a Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), nesta terça-feira, 5. Na comparação com abril de 2008, houve baixa de 10,3%.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Mesmo com a queda em abril, o presidente da Fenabrave, Sérgio Antonio Reze, avaliou como uma "conquista" o desempenho do setor neste mês. "A reação do mercado tem sido bastante positiva, superando o trauma que a gente viveu em outubro, novembro e dezembro", disse.

 

Segundo o presidente da entidade, o forte desempenho registrado em março, causado em parte pela expectativa de não renovação da redução do IPI, "não era factível". Em sua avaliação, a indústria automotiva chegou em um novo patamar de vendas, de em torno de 190 a 200 mil unidades mensais "Daí para cima, podemos dizer que estamos crescendo outra vez", afirmou.

 

Reze destacou que a comparação com o desempenho do setor com 2008 pode criar distorções. "Não teve um período normal em 2008", avaliou ele, ressaltando o resultado "extraordinário da indústria no primeiro semestre e o fraca performance na segunda metade do ano".

 

Segundo ele, a nova base de comparação a ser adotada pela setor deve ser o resultado após o primeiro trimestre deste ano. "Tem que analisar o País e o setor com o pé no chão", ressaltou. Na avaliação do executivo da Fenabrave, o mês de abril, o primeiro após a renovação do acordo de redução do IPI, teve uma base de comparação muito mais forte do que os meses anteriores.

 

O presidente da Fenabrave espera que a indústria automotiva mantenha o ritmo de venda de cerca de 220 mil unidades ao mês e termine o ano "de forma bastante razoável". Em sua avaliação, a redução do IPI foi apenas um indutor das vendas. Ele afirmou que não espera que o benefício seja renovado mais vez em junho. "Se a economia reagir, não há motivação para fazer uma renúncia fiscal como essa", disse.

 

No acumulado dos primeiros quatro meses do ano foram comercializados 902.701 veículos, com queda de 0,73% sobre igual intervalo de 2008. Os dados incluem automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

 

Marcas

 

A Fiat foi a líder em vendas de automóveis e comerciais leves em abril, com uma participação de 26,72% do mercado de automóveis e de 22,42% do segmento de comerciais leves, segundo os dados.

 

A Volkswagen ficou em segundo lugar no ranking da entidade de vendas de automóveis com 26,17% de participação. Entretanto, no segmento de comerciais leves, a montadora ficou em quarto lugar, com uma fatia de 11,23%.

 

A General Motors (GM) do Brasil, por sua vez, obteve a vice-liderança nas vendas de comerciais leves, com participação de 15,5% em abril. No que diz respeito ao segmento de automóveis, a empresa ficou em terceiro lugar, com uma participação de 18,67%.

 

Já a Ford ficou no quarto lugar do ranking da Fenabrave de vendas de automóveis, com fatia de 10,21%, e no terceiro lugar no segmento de comerciais leves, com participação de 13,22%.

 

Matéria atualizada às 12h59

Mais conteúdo sobre:
Crise Financeira Setor Automotivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.