Curso 100% online ensina fluência funcional no Inglês em até seis semanas

Florianópolis/SC--( DINO - 30 jan, 2017) - Idade mais avançada, vergonha de falar, medo de não conseguir, falta de tempo para estudar. Os motivos são inúmeros para não matricular-se numa escola de Inglês. Mas um curso desenvolvido por um americano vem ganhando destaque no Brasil graças ao método inovador e 100% online. Com aulas self-study (de autoestudo), disponíveis em módulos e para que o aluno assista e estude conforme seus próprios horários, o curso Núcleo 500 já ensinou mais de 10 mil pessoas desde que foi fundado há dois anos por Kevin Porter.

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

30 Janeiro 2017 | 14h46

"Criei o método a partir de uma necessidade minha em aprender português e vi que esse método era possível de ser adaptado para aprender outras línguas", explica Kevin. Ele veio para o Brasil pela primeira vez em 2005 para fazer um trabalho voluntário. "Após meses tentando aprender a falar português numa escola tradicional nos Estados Unidos, vi que demoraria anos para me tornar fluente, então passei a estudar por conta própria e em quatro meses eu já conseguia falar e escrever".

Esse método desenvolvido por Kevin leva em consideração a comunicação simples baseada em verbos, substantivos e adjetivos. Também foca em entender as principais palavras, as mais usadas no vocabulário inglês. "Você não precisa saber todas as 15 mil palavras da língua se um nativo usa apenas 800 a 1000 palavras no dia a dia". Fazendo com que os alunos utilizem as aulas online e dicas diariamente ? em locais como trânsito, filas de banco etc. ? é possível uma imersão na língua e, em 30 dias, o professor garante que o aluno já consiga falar e escrever em inglês.

"As pessoas têm pressa. Muitas precisam aprender para uma viagem ou para uma promoção no trabalho e não adianta fazer duas aulas por semana, estudar só duas horas e depois não ter contato com a língua", conta Kevin, que deu à escola de inglês o nome Empreendedor sem Fronteiras, pois para ele, quem é fluente na língua consegue fazer negócios e viajar para qualquer parte do mundo e passa a "não ter fronteiras" se torna cidadão do mundo. "Claro que a dedicação é fundamental para atingir os resultados esperados, mas garanto que quem seguir os passos recomendados no nosso curso vai sim conseguir a fluência funcional dentro do prazo estipulado", completa ele.

Para entrar no ritmo e ir treinando o ouvido, Kevin Porter dá algumas dicas (tiradas do blog dele mesmo - http://www.esfingles.com/blog) para aprender inglês rápido.

1. Aprenda com música: escute músicas em inglês acompanhando as letras. Isso faz você treinar o ouvido e também a leitura. Além disso, ao cantar as músicas você aprende também a pronúncia!

2. Filmes e séries sem legenda: Pode parecer assustador, mas aquela sua série ou filme favorito que você sempre assiste legendado e já conhece as vozes dos personagens principais pode ser uma verdadeira aula. Experimente rever os episódios sem legenda. Vai ver que entendê-los é mais fácil do que você imagina.

3. Mude o ambiente: Troque o idioma do seu celular e do seu computador para o Inglês. Assista noticiários em inglês, releia, em inglês, livros que já leu em português, escute rádios na internet e acesse sites em inglês. A imersão é o que faz aquela pessoa que fez intercâmbio aprender em três meses o que muitos não conseguem em oito anos estudando em escolas tradicionais de idiomas.

4. Não tenha vergonha! Você já viu americano falando português? Normalmente eles erram muito, mas não estão "nem aí". Não se preocupe com uma gramática correta, e sim em conseguir se comunicar.

5. Acompanhe o blog da escola ESF Inglês: com postagens diárias, aborda as principais dificuldades dos brasileiros em falar, ouvir e escrever em inglês, além de dar dicas valiosas para um aprendizado rápido focado no vocabulário de dia a dia, como falar sobre o tempo, os verbos mais usados, nomes das cores, meses e dias da semana, entre outros.

Website: http://www.esfingles.com/blog

Mais conteúdo sobre:
Releases

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.