Pixabay / ccipeggy
Pixabay / ccipeggy

Estudo revela os supermercados mais caros e baratos de SP

É possível economizar quase R$ 3 mil por ano deixando de ir em uma loja no Tatuapé e priorizando outra, na Vila Carrão, a 4 km de distância

Andre Felipe Klojda, Especial para O Estado de S. Paulo

04 Dezembro 2017 | 18h41

Um levantamento divulgado pela Proteste, associação que trabalha com defesa do consumidor, mostra que é possível economizar até R$ 2.819,47, quase três salário mínimos por ano, optando por concentrar as compras em único supermercado em detrimento de outro.

+ Grandes redes de supermercados brigam com ‘mercadinhos’ para crescer

O mercado em questão é o Assaí, na Vila Carrão, que segundo a Proteste foi considerado o mais barato de São Paulo para cestas com 90 produtos escolhidos entre as marcas mais em conta da gôndola.

A loja fica a cerca de quatro quilômetros do mais caro da cidade no mesmo quesito, o supermercado VIP, no bairro do Tatuapé. A diferença de desembolso entre um e outro é de R$ 234,96 por mês.

+ Supermercados perderam R$ 7 bi com furtos em 2016

Quando a cesta de produtos avaliada contempla os 104 itens de marcas líderes em venda, a diferença cai um pouco, mas ainda é substancial.

+ Clientes passam a noite na fila por liquidação de supermercado no Rio; veja vídeo

O consumidor que faz suas compras no Atacadão localizado na Estrada do Pêssego, em Itaquera, na zona leste, economiza no fim do ano R$ 2.392,80, caso não opte por preencher a dispensa no mercado Joy, no Jardim Vila Mariana, na região centro-sul da capital - nesse caso, a distância é considerável: cerca de 28 quilômetros.

Vale ressaltar que só foram considerados os estabelecimentos que dispunham de, no mínimo, de 45% dos produtos de ambas as cestas.

O diretor-presidente do Atacadão, Roberto Müssnich, afirma que a diferença encontrada entre os preços geralmente é explicação pela capacidade de negociação que as grandes redes têm com os fornecedores.

Em nota, o Assaí segue na mesma linha. "Em razão do grande volume negociado, a companhia consegue praticar preços vantajosos, além de beneficiar-se de uma política menor de margem", afirma.

Modelos. O Guia também levou em conta  a questão dos modelos de negócio. Justamente os atacarejos, misturas de atacado com varejo, mostraram-se como opções mais baratas na capital paulista.

Na comparação com essas lojas, os hipermercados são 5% mais caros, e os supermercados, 12%, quanto à cesta que contempla os produtos líderes de venda.

Já naquela dos produtos de preço mais baixo, o cenário não é muito diferente: os hipermercados apresentam preços 2% maiores, enquanto os supermercados são 14% mais caros, no contraste com os atacarejos.

Distância. Ao contrário do que se pode pensar e alguns dados podem sugerir, a economia não está necessariamente ligada às diferentes localizações das lojas.

Ao pesquisar, é possível poupar em estabelecimentos concorrentes em uma mesma avenida. Segundo o estudo da Proteste, na Avenida Águia De Haia, na zona leste de São Paulo, por exemplo, o consumidor pode economizar 12% ao fazer as compras no Assaí em vez de no mercado DIA, distantes cerca de um quilômetro um do outro.

Diferentemente de redes como o Atacadão e o Assaí, o DIA tem a proposta de atender mais o público local. "Com lojas menores e de vizinhança, permite ao consumidor comprar com maior frequência e em menor quantidade, estando nas proximidades do trabalho ou da residência", afirma comunicado da companhia.

Mais conteúdo sobre:
supermercado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.