Gabriela Bilo/Estadao
Gabriela Bilo/Estadao

Número de companhias listadas em Bolsa volta para o patamar de 2005

Sequência de fusões, crise econômica e companhias que optaram por fechar o capital reduzem alternativas

Mariana Segala, Especial para o Estado

19 Fevereiro 2018 | 05h00

Os investidores brasileiros têm cada vez menos opções de ações para comprar na B3. O número de empresas com papéis negociados no pregão chegou a 344 no fim de 2017. É um patamar tão baixo quanto o registrado 12 anos antes, em dezembro de 2005 – um período anterior à onda de aberturas de capital (IPOs, na sigla em inglês) de 2006 e 2007.

Alguns fatores explicam o movimento. A última década protagonizou uma sequência de fusões que, naturalmente, concentrou o mercado. Um exemplo é a própria B3, uma empresa que já foi três: BM&F, Bovespa e Cetip.  

Além disso, o marasmo que se instalou na Bolsa com a eclosão da crise financeira global de 2008 – agravado pela instabilidade política e a recessão econômica do País a partir de 2014 – também contribuiu para o enxugamento.

Nesse contexto, muitas empresas optaram por deixar o mercado de capitais, em processos conhecidos como OPAs, ou ofertas públicas de aquisição das próprias ações. E as poucas companhias que listaram suas ações não foram suficientes para compensar todas as saídas.

No ano passado, seis empresas registraram na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ofertas de aquisição de ações com o objetivo de sair da Bolsa – caso do banco Indusval e da Jereissati Telecom. Em 2016 haviam sido 13, com a Whirlpool e a Vigor Alimentos entre elas. Em cinco anos, 36 seguiram esse caminho. No mesmo período, porém, as aberturas de capital foram 23.

O fenômeno não é exclusivo do Brasil. Também em outros países, o número de empresas listadas nas bolsas é decrescente ao longo dos anos – mesmo nos desenvolvidos. “Existe uma percepção entre os empreendedores de que mercado de ações tem se tornado cada vez mais especulativo e focado no curto prazo. Para evitar a pressão de entregar resultados imediatos, muitos têm encontrado outros caminhos para financiar o próprio crescimento”, diz Alexandre Di Miceli, professor da Fecap e sócio-fundador da Direzione Consultoria. 

Fundos de private equity, que compram fatias de empresas jovens e com alto potencial de crescimento, e investimentos diretos por grandes companhias – ao estilo que gigantes da tecnologia como Google e Facebook costumam fazer com startups promissoras – são alguns exemplos de vias alternativas.

Na bolsa americana Nasdaq, onde são listadas principalmente companhias do setor de tecnologia, as empresas com ações negociadas caíram de 3.069 em 2007 para 2.949 no fim de 2017, segundo dados da Federação Mundial de Bolsas. 

Já na Bolsa de Nova York (Nyse), o número permaneceu praticamente estável: saiu de 2.273 para 2.286. Somadas, as duas bolsas têm 15 vezes o número de empresas listadas do que o mercado brasileiro.

Carteira. Segundo especialistas, apesar da queda no leque de alternativas, há um ponto positivo para o investidor nesse cenário. “Muitas das empresas que deixaram a Bolsa se listaram nas décadas de 1970 e 1980, por incentivos fiscais, mas há anos suas ações estavam praticamente paradas. Não deveriam estar lá”, diz Di Miceli. Assim, à medida que a CVM e a B3 passaram a exigir melhores práticas de governança corporativa, estar no pregão virou um custo com pouco retorno para essas companhias. 

No entanto, a quantidade reduzida de empresas listadas limita a diversificação da carteira de ações. Com um agravante: nem todas elas têm papéis com um nível de negociação razoável. 

Dados da consultoria Economática mostram que apenas 305 companhias tiveram seus papéis negociados na B3 ao menos uma vez neste ano. Delas, 38 são do setor elétrico e 20 são bancos. Segmentos como o siderúrgico não têm mais do que cinco empresas. No de turismo, há uma só. “Em alguns setores, pode não ser possível investir no Brasil”, diz Sandra Blanco, consultora da plataforma de investimentos Órama. 

Com esse cenário, ganham força produtos como fundos que aplicam no exterior, em que os mercados são maiores e mais diversificados. Essas carteiras, porém, são restritas aos investidores qualificados – que tenham pelo menos R$ 1 milhão aplicados no mercado financeiro. A retomada do mercado tende a ampliar a quantidade de companhias listadas. “Mas, uma variedade de fato vai demorar a aparecer”, afirma Sandra.

Mais conteúdo sobre:
Finanças Pessoais bolsa de valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.