Reuters
Reuters

Rendimento dos fundos DI cai e empata com a poupança

Aplicações cujo rendimento é atrelado à taxa de juros perdem atratividade com a queda da Selic

Silvio Crespo, especial para o Estado*, O Estado de S.Paulo

09 Junho 2017 | 05h00

Com a queda da taxa de juros, os fundos de renda fixa referenciados DI, aqueles que compram títulos públicos atrelados à Selic, estão ficando com uma rentabilidade tão baixa quanto a da poupança. 

Segundo o Ranking Renda Fixa Macro, elaborado pelo economista Pedro Raffy Vartanian e publicado no blog Dinheiro pra Viver, os fundos DI devem render em média 6,5% nos próximos 12 meses e 13,4% nos próximos dois anos, já descontada a taxa de administração e o Imposto de Renda. O cálculo considera os fundos dos cinco maiores bancos do País, que cobram taxa de administração entre 1% e 1,5%.

Enquanto isso, a poupança deve apresentar rentabilidade de 6,6% e 13,1% nos mesmos períodos, respectivamente. 

 

 

 

Dessa forma, quem aplicar R$ 10 mil nos próximos 12 meses tende a ter um ganho líquido em torno de R$ 650, tanto na poupança quanto em um fundo DI.

Já para os títulos públicos e privados é esperado um retorno maior. O Tesouro Selic deve ter um rendimento líquido de 7,2% em um ano.

Quem conseguir um CDB com retorno de 110% do CDI terá um rendimento ainda maior, em torno de 8% em um ano.

No entanto, vale dizer que um CDB com essa rentabilidade normalmente não tem liquidez diária, ou seja, o investidor não pode resgatar o dinheiro a qualquer momento, mas apenas na data de vencimento.

O ranking mostra também simulações de quanto o investidor deve ganhar, em cada aplicação de renda fixa, se aplicar R$ 2 mil, R$ 10 mil e R$ 50 mil. A íntegra do estudo está disponível aqui.

*Artigo escrito em parceria com o blog Dinheiro pra Viver

 

Mais conteúdo sobre:
Imposto de Renda Dinheiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.