Ganhos para quem compra à vista

PDG oferece redução de preços para vendas sem financiamento; Gafisa lança desafio que pode render R$ 5mil ao cliente

João Carlos Moreira, Especial para O Estado

30 Setembro 2015 | 05h35

Outra construtora com boas ofertas disponíveis é a PDG, mas voltadas para quem tem dinheiro para a compra à vista. Na promoção lançada em setembro, a empresa chega a oferecer descontos superiores a 30% para os clientes em condições de efetuar o pagamento. Um apartamento de dois dormitórios com 56 m² a 58 m², situado na Vila Ema, na Zona Leste paulistana, tem preço original para financiamento a partir de R$ 404.004, mas o valor cai para R$ 256.543 no caso do pagamento à vista, uma redução de 36,4%.

A PDG tem imóveis também em cidades da Grande São Paulo, do litoral e do interior, como São Bernardo, Diadema, Santos, Campinas e Ribeirão Preto.

Em vez de desconto, a Gafisa lançou a campanha Desafio Gafisa e oferece R$ 5 mil a quem tiver sua proposta de compra aprovada pela empresa, mas no prazo de cinco dias fechar o negócio com incorporador concorrente. No site da Gafisa, o regulamento explica que o valor só será pago no caso de a compra na concorrência for equivalente à unidade cuja aquisição foi aprovada pela empresa.

O anúncio da ação de marketing estimula o possível comprador a fazer o cadastro e escolher a melhor forma de entrar no desafio. “Se não fecharmos negócio, a Gafisa dá a você R$ 5 mil”, diz o texto.

O consultor de empresas César Araújo, de 31 anos, não tem pressa para comprar o apartamento. Por isso, saiu do evento promovido pela Even sem fechar negócios. “Não fiz a compra porque não encontrei a combinação de bom preço, localização e financiamento adequado. Às vezes o preço era bom, mas a localização não me agradava, ou as condições de financiamento não eram as melhores”, afirmou ele, que é solteiro e procura um imóvel de dois quartos na Zona Sul, na faixa entre R$ 300 mil e R$ 400 mil. “Vou pesquisar mais, mas minha intenção é fazer a compra no máximo no primeiro semestre de 2016", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.